Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Os pontos de paquera que marcaram época no Recife

João Alberto Martins Sobral
Jornalista

Publicado em: 25/09/2020 03:00 Atualizado em: 25/09/2020 06:15

Xixi Girl: Foi o primeiro deles. Era na boate Ferro Velho, em Boa Viagem, nos fins das tardes dos domingos. As garotas iam acompanhadas da mãe, da tia, do irmão, mas a paquera rolava solta.

Quem me quer: Na época em que o máximo era ir ao Cinema São Luiz, que exigia paletó e gravata dos frequentadores, as jovens ficavam sentadas na mureta do chamado jardim suspenso e trocavam olhares com os rapazes que passavam andando na calçada, muitos acabavam em namoro

Acaiaca: A praia em frente àquele edifício na Avenida Boa Viagem reunia, nas manhãs de domingos, as moças mais bonitas do Recife. Muitas usando maiôs conhecidos como “Engana Mamãe” ou “Engana Papai” e as mais ousadas o modelo arrastão.

Domingueira do Country: Depois do Acaiaca, muitos jovens se produziam para ir para o Country, que tinha tardes animadíssimas, inclusive pela ainda hoje famosa cartola do restaurante do clube.

Encontro de Brotos: Festa criada pelo então diretor social do Clube Internacional, Otacílio Venâncio, reinou por muitos anos. A orquestra The Gentleman vinha de João Pessoa e tinha repertório com os maiores sucessos da jovem guarda. Começava às 20h e terminava impreterivelmente à meia-noite. Nenhum minuto a mais.

Bola Boliche: Ficava na Barão de Souza Leão, em frente ao Mar Hotel. Foi o primeiro a se instalar no Recife e foi um enorme sucesso, reunindo especialmente a turma jovem. Para jogar, torcer e paquerar.

Coffee shop do Miramar: Era um verdadeiro frenesi. Mistura de gente bonita e carrões, que eram guardados por Barroada, um famoso flanelinha. As cadeiras no salão da lanchonete eram muitos disputadas, com toda movimentação de paqueras e insinuações, nem sempre bem-sucedidas.

Sessão Bossa Jovem: Era nos sábados, às 10h, no São Luiz. Sempre com filmes voltados para a juventude. Depois a badalação era na sorveteria Gemba, que ficava bem pertinho.

Joveneza: Era uma sessão na tarde dos sábados, no Cinema Veneza, na Rua do Hospício, que sempre ficava lotada.

Depois do Escuro: Era um bar na Rua da Amizade, nas Graças, que reunia sempre muitos jovens e que tinha decoração com grandes bonecos.

Jogos Estudantis: O primeiro foi realizado em 1969 e reunia equipes dos principais colégios do Recife, em jogos sempre com grandes e animadas torcidas. Alguns colégios chegavam a dar bolsas de estudos a bons jogadores, para ganhar a competição.

Lanchonete Fans: Ficava na Avenida Conde da Boa Vista e foi a pioneira de operações tipo McDonald’s. Era famosa sua batata frita e reunia sempre muita gente bonita.

Frisabor: Junto ao Colégio Salesiano, na Boa Vista, era uma verdadeira concentração de jovens, especialmente alunos do Salesiano e Nossa Senhora do Carmo, que se encontravam lá depois das aulas.

Tropical Roller Stake: Foi uma pista da patinação na Herculano Bandeira, no Pina, onde depois foi um posto de gasolina, hoje desativado. Foi o maior sucesso, quando a patinação chegou ao Recife. Os rapazes, na sua maioria, mostravam suas qualidades no esporte. As moças ficavam olhando (e paquerando) nas cadeiras.

Tobogã: Foi um equipamento armado na Rua da Aurora, onde as pessoas desciam sentadas num saco e que foi durante um bom período um dos grandes points da nossa cidade.

Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #181 - Tiops de rins dos vertebrados
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco