Diario de Pernambuco
Busca
B-R-Z-L, uma terra para os filhos de Israel

Jacques Ribemboim
Economista ambiental

Publicado em: 19/03/2020 09:00 Atualizado em:

O estudo da toponímia – a origem dos nomes dos lugares – pode revelar tesouros que, às vezes, permanecem imersos por décadas a fio antes de serem descobertos. Citamos o caso do nome de Pernambuco, que por quatro séculos foi associado a paranã-buka, que no tupi significaria “buraco no mar”. Bem mais provável, contudo, é que derive da expressão “boca de Fernão” que, no linguajar dos índios, tornou-se Pernão-buku, haja vista que os nativos não conheciam o fonema [f], permutando-o por [p], e pelo costume de anteporem o substantivo próprio ao substantivo comum. Nesse caso, a “boca” era a embocadura (boca de rio) situada entre os atuais municípios de Igarassu e Itamaracá, pertencentes a Fernão de Noronha, rico financista e mercador que arrendara o Brasil em 1502.

De outro lado, sabe-se a respeito da origem semítica dos primeiros colonos procedentes de Portugal e da genética que legaram à população nordestina. Não foram poucos os cristãos-novos que chegaram a Pernambuco fugindo da Inquisição. Ao que tudo indica, Fernão de Noronha, ele próprio um cristão-novo, empenhou-se em ajudar na transferência das famílias israelitas, durante aqueles difíceis primórdios da colonização, em que poucos se aventuravam a cruzar o Atlântico para vir morar em um lugar tão inóspito.

Para os judeus, contudo, as terras descobertas surgiram como uma tábua de salvação. Longe das perseguições e humilhações na Europa, o Brasil se apresentava como um milagre, uma nova Canaã, a misteriosa “Ilha Brasil” das lendas célticas, de há tanto esperada. Mas aqui existe um detalhe adicional: o nome BRAZIL é um acrônimo das letras hebraicas beit, resh, zain, lamed, iniciais das quatro mulheres de Jacó (duas esposas, Raquel e Lia, e duas servas, Bila e Zilpa), ressaltando que as vogais A e I podem ser declinadas da escrita original e que, se incluído o I (iud) teríamos no acrônimo a inicial de Jacó (Iaacov, em hebraico).

Portanto, todos os filhos de Jacó – e as doze tribos que se formarão – descendem, necessariamente, dessas quatro senhoras. Destaque-se que Jacó passa a ser chamado de Israel após sua luta com o anjo e, a partir de então, seus descendentes serão conhecidos como “filhos de Israel” (bnei Israel) dando origem ao “povo de Israel” (am Israel). Aliás, o próprio nome ISRAEL também é um acrônimo, reunindo as iniciais dos três patriarcas e das quatro matriarcas: Abraam (aleph) e Sara (shin); Isaac (iud) e Rebeca (resh); Iaacov (iud), Raquel (resh) e Lea (lâmed), lembrando que, desta feita, as vogais I e A, correspondem às letras iud e aleph, as quais têm status de consoantes no alfabeto hebraico e devem, sim, constar no acrônimo original.

Isso tudo faz levantar a hipótese de que o nome do nosso país guarde um grande segredo, ter sido uma espécie de Terra Prometida no Ocidente, onde os judeus pudessem viver livres e felizes. Para os que duvidarem, a probabilidade de ser mera coincidência é de 0,0137%, ou seja, acontece uma vez a cada sete mil e trezentos descobrimentos ultramarinos.

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

19/08/2022 às 03h00

Portabilidade do mercado de energia é pauta crucial para o nosso país

19/08/2022 às 03h00

A saúde no Brasil está doente! (2)

18/08/2022 às 03h00

Créditos fiscais possibilitam redução de dívida tributária

18/08/2022 às 03h00

A contribuição do Recife para a Fotografia moderna

17/08/2022 às 03h00

A saúde no Brasil está doente! (1)

17/08/2022 às 03h00

Aí complica

16/08/2022 às 03h00

O pacote memorioso

16/08/2022 às 03h00

Dissonâncias cognitivas e narrativas

15/08/2022 às 03h00

Dia da Imigração Chinesa sublima a amizade dos dois povos

15/08/2022 às 03h00

IPCA negativo

13/08/2022 às 03h00

O arco-íris

13/08/2022 às 03h00

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

12/08/2022 às 03h00

O Dia dos Pais e suas controvérsias

12/08/2022 às 03h00

A insensatez dos extremos

11/08/2022 às 03h00

Apostas esportivas - decreto, eleição e religião

Em ano de eleição, em que a macroeconomia e a condução política são mais importantes que uma reflexão técnica advinda de um setor que há quase 04 anos espera seu regramento, aproveitar os meses que antecedem outubro para refinar os estudos e aperfeiçoar o conteúdo do Decreto seriam tão produtivos quanto não invocar essa pauta até o pleito, mantendo o apoio cristão-conservador intocável

11/08/2022 às 03h00

"Cristo vive! Somos suas testemunhas"

10/08/2022 às 03h00

Pró-Criança 29 anos

10/08/2022 às 03h00