Diario de Pernambuco
Busca

CALOR

Onda de extremo calor mata mais de 70 pessoas nas eleições da Índia

Somente no Estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, morreram 33 funcionários eleitorais

Publicado em: 03/06/2024 12:24

A Índia tem registrado temperaturas escaldantes nesta estação
 (Crédito: SHAMMI MEHRA / AFP)
A Índia tem registrado temperaturas escaldantes nesta estação (Crédito: SHAMMI MEHRA / AFP)

As eleições na Índia, as maiores do mundo, foram marcadas pela onda de calor extremo que assola o país nos últimos dias e que matou pelo menos 77 pessoas, incluindo funcionários eleitorais. Antes do início da votação, a comissão eleitoral do país declarou que havia tomado diversas medidas devido às altas temperaturas, que registraram em muitas localidades mais de 45° graus, como disponibilizar água nas mesas de voto e tendas para se ter sombra.

 

Somente no Estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, morreram 33 funcionários eleitorais. Segundo o Departamento Meteorológico Indiano, as temperaturas na cidade de Jhansi, Uttar Pradesh, atingiram 46,9 graus. Em outro incidente, na cidade de Ballia, no mesmo Estado, um homem que estava na fila para votar perdeu a consciência e morreu.

 

Segundo o comissário-chefe eleitoral do país, Rajiv Kumar, com mais de 1,4 bilhões de habitantes, cerca de 969 milhões de indianos eram elegíveis para votar nas eleições e aproximadamente 642 milhões cidadãos compareceram às urnas. “Uma indenização financeira de 1,5 milhões de rupias (20 mil euros) será paga às famílias dos falecidos”, anunciou hoje Rinwa, responsável eleitoral do estado de Uttar Pradesh.

 

A Índia tem registrado temperaturas escaldantes nesta estação, com ondas de calor excepcionais e temperaturas que bateram recordes.

 

Já as primeiras sondagens apontam a vitória do primeiro-ministro Narendra Modi,  nacionalista hindu, que disputa o seu terceiro mandato. Os resultados serão anunciados oficialmente na terça-feira (4). 

 

Para assegurar a realização das eleições, o governo indiano providenciou uma rede de cerca de 15 milhões de funcionários eleitorais além de seguranças, com alguns destes funcionários tendo que se deslocar por estrada, barco, camelo, comboio e helicóptero para chegar aos cidadãos de todo o país.