Diario de Pernambuco
Busca

IMIGRAÇÃO

México quer que EUA deporte migrantes diretamente a seus países de origem

Biden anunciou restrições a imigrações após pesquisas de opinião mostrarem a situação na fronteira terá bastante peso nas eleições americanas
Por: AFP

Publicado em: 06/06/2024 18:39

Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador  (foto: ALFREDO ESTRELLA / AFP)
Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (foto: ALFREDO ESTRELLA / AFP)

O México está intercedendo perante os governos de Cuba e Venezuela para que os Estados Unidos possam deportar diretamente a esses países migrantes irregulares, disse o presidente mexicano nesta quinta-feira (06), após o endurecimento da política migratória de Washington.

 

Desde o governo do presidente Donald Trump (2017-2021), o México aceita receber em seu território migrantes expulsos dos Estados Unidos, e até mesmo enviá-los de volta a seus países. Também permite que eles tramitem pedidos de asilo em cidades fronteiriças.

 

"Estamos ajudando para que se aceite nos países onde eles [Estados Unidos] não têm boa relação, para que possam tomar medidas de deportação", disse o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador em sua coletiva de imprensa habitual.

 

"Que os deportados cheguem de forma direta a seus países. Isso, inclusive, requer mais atenção, com respeito aos direitos humanos", acrescentou.

 

López Obrador mencionou em particular os casos de Cuba, que está sob embargo econômico dos Estados Unidos, e Venezuela.

 

Caracas suspendeu no início deste ano um acordo com Washington para receber seus cidadãos deportados, após a retomada de sanções contra o governo de Nicolás Maduro, que não é reconhecido pelas autoridades americanas.

 

López Obrador garantiu que seu governo "tem boas relações com todos" e, embora o México possa enviar migrantes para qualquer país, o que deseja é que os Estados Unidos "possam fazê-lo de forma direta".

 

O presidente americano Joe Biden assinou esta semana um decreto que permitirá às autoridades suspender a entrada de solicitantes de asilo e migrantes quando o número de entradas irregulares superar o limite de 2.500 casos em um dia.

 

A medida prevê a reabertura da fronteira quando a quantidade diária de solicitantes de asilo seja inferior a 1.500 pessoas.

 

Biden, que busca a reeleição em novembro em uma revanche contra Trump, anunciou essas restrições depois que as pesquisas de opinião mostraram que a migração e a situação na fronteira terão bastante peso entre os eleitores.

 

Apenas em 2023, foram registradas mais de 2,4 milhões de travessias irregulares na fronteira sul dos Estados Unidos. O número alcançou um recorde de 10.000 pessoas por dia em dezembro, mas atualmente está em queda.