Diario de Pernambuco
Busca

GUERRA

Rússia anuncia que fará testes com armas nucleares após alegar ''provocação'' do Ocidente

O Kremlin afirmou que os exercícios são uma resposta às declarações dos líderes do Ocidente
Por: AFP

Publicado em: 06/05/2024 08:15 | Atualizado em: 06/05/2024 08:31

O treinamento pretende ''manter a preparação'' do Exército (Créditos: Valery SHARIFULIN / POOL / AFP)
O treinamento pretende ''manter a preparação'' do Exército (Créditos: Valery SHARIFULIN / POOL / AFP)

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira a realização "em um futuro próximo" de exercícios nucleares, em resposta às declarações dos governantes de potências ocidentais sobre a possibilidade de envio de soldados à Ucrânia.

 

O Ministério da Defesa russo anunciou em um comunicado, publicado no Telegram, a organização de exercícios "para o treinamento da preparação e uso de armas nucleares não estratégicas".  

 

A nota acrescenta que a medida foi tomada "por instrução do comandante-em-chefe supremo das Forças Armadas da Federação Russa", o presidente Vladimir Putin.

 

O treinamento pretende "manter a preparação" do Exército, após as "declarações provocadoras e ameaças de alguns governantes ocidentais contra a Rússia", afirmou o ministério.

 

Os exercícios incluirão a Aeronáutica, a Marinha e as Forças do Distrito Militar do Sul, que têm sede muito perto da Ucrânia e abrangem as regiões ucranianas que Moscou alega ter anexado. 

 

A data e o local dos exercícios não foram revelados.

 

Desde o início do conflito na Ucrânia, em fevereiro de 2022, Putin menciona a possibilidade de recorrer às armas nucleares. 

 

Em outubro do ano passado, a Rússia anunciou que Putin supervisionou lançamentos de mísseis balísticos durante manobras militares que pretendiam simular um "ataque nuclear em larga escala" por parte de Moscou. 

 

O Kremlin afirmou que os exercícios são uma resposta às declarações de líderes das potências ocidentais sobre a possibilidade de enviar tropas à Ucrânia.

 

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, denunciou que autoridades falem sobre a "intenção de enviar contingentes armados para a Ucrânia, ou seja, de colocar soldados da Otan diante das Forças Armadas russas".

 

Peskov mencionou o presidente francês, Emmanuel Macron, cuja retórica chamou de "muito perigosa", assim como declarações de funcionários de alto escalão dos governos do Reino Unido e Estados Unidos. 

 

Na semana passada, Macron, reiterou a posição sobre o possível envio de tropas à Ucrânia, que já havia mencionado em fevereiro. 

 

"Se os russos conseguirem romper as linhas da frente, se houver um pedido ucraniano – o que não é o caso hoje – deveríamos levantar legitimamente a questão", disse o presidente francês.