Diario de Pernambuco
Busca

DECLARAÇÃO

EUA diz que 'não há mudanças' em seu apoio a Israel após ataque a Rafah

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, acrescentou que o presidente americano, Joe Biden, não faz vista grossa para as vítimas de Rafah, mas ainda não tem planos de mudar a política após o ataque israelense
Por: AFP

Publicado em: 28/05/2024 18:59

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA (foto: MANDEL NGAN / AFP)
John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA (foto: MANDEL NGAN / AFP)

Os Estados Unidos disseram, nesta terça-feira (28), que "não há mudanças" em seu apoio a Israel após o ataque na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que provocou um incêndio e deixou 45 mortos em um acampamento de deslocados.

 

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, declarou que não havia "nenhuma mudança de política sobre a qual falar" e que o incidente "simplesmente havia acontecido".

 

Kirby acrescentou que o presidente americano, Joe Biden, não faz vista grossa para as vítimas de Rafah, mas ainda não tem planos de mudar a política após o mortal ataque israelense.

 

Biden não se pronunciou sobre o ataque de domingo, que causou uma onda de indignação internacional.

 

Nesta terça-feira, uma porta-voz do Pentágono disse que segue considerando que a operação israelense na cidade de Rafah é "limitada".

 

"Ainda consideramos que o que está ocorrendo em Rafah, o que as IDF (forças de defesa de Israel) estão fazendo, tem um alcance limitado", afirmou a jornalistas a subsecretária de imprensa do Pentágono, Sabrina Singh.

 

Consultada sobre a presença de tanques israelenses no centro de Rafah, segundo testemunhas, Singh repetiu: "Nada mudou do que eu disse antes. Continuamos acreditando que se trata de uma operação limitada".

 

 

 

"Eu vi essas informações" sobre tanques israelenses em Rafah, acrescentou. "Estamos vendo movimentos dentro de Rafah, o que não significa que o alcance e a escala da operação tenham mudado."

 

Por sua vez, o Ministério da Saúde de Gaza relatou 45 mortos e 249 feridos como resultado do bombardeio israelense no último domingo em um acampamento de deslocados.

 

Cerca de um milhão de pessoas fugiram de Rafah nas três semanas desde o início da operação terrestre do exército israelense, de acordo com a UNRWA, a agência da ONU para os refugiados palestinos.