Diario de Pernambuco
Busca

EVENTO

Conferência para a Paz da Ucrânia confirma cerca de 70 chefes de Estado

Os principais líderes latino-americanos, com a exceção do Brasil, participarão da conferência

Publicado em: 24/05/2024 16:42

Evento foi organizado pela Suíça e coordenado com o Governo da Ucrânia (Foto: Sergei SUPINSKY/AFP)
Evento foi organizado pela Suíça e coordenado com o Governo da Ucrânia (Foto: Sergei SUPINSKY/AFP)
Mais de 70 chefes de Estado e de Governo confirmaram presença na Conferência para a Paz na Ucrânia, que decorrerá entre 15 e 16 de junho, onde se incluem os principais líderes latino-americanos com a exceção do Brasil.
 
As autoridades da Suíça, que organiza o encontro da Conferência para a Paz na Ucrânia, que acontece entre 15 e 16 de junho, anunciaram que mais de 70 chefes de Estado e de Governo já confirmaram presença no evento internacional. O evento foi coordenado com o governo ucraniano, que solicitou à Suíça para organizar a iniciativa.
 
Os principais líderes latino-americanos, com a exceção do Brasil, participarão da conferência. No entanto, os presidentes da Venezuela, Cuba, Venezuela e Nicarágua, países da considerados próximos da Rússia, declinaram do convite.
 
No total, 160 governos receberam o convite, no qual esta prevista ainda a presença do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que nos dias anteriores na Itália para participar da cúpula do G7.
 
O Governo chinês, que recentemente reforçou as suas relações com a Rússia na sequência da visita do Presidente Vladimir Putin a Pequim, ainda não indicou se pretende participar na Conferência.
 
Por outro lado, o governo da Rússia não foi convidado, o que provocou duras críticas  de Vladimir Putin. O Kremlin garante que sem a sua participação não será possível qualquer avanço em direção a uma solução política do conflito na Ucrânia.
 
O evento foi coordenado com o Governo da Ucrânia, que solicitou à Suíça para organizar a iniciativa e no seguimento da primeira conferência internacional em meados de 2022 sobre a reconstrução da Ucrânia após o final da guerra.