Diario de Pernambuco
Busca

ACIDENTE

'Incidente técnico' em voo para o Chile deixa 12 hospitalizados na Nova Zelândia

Segundo os serviços de emergência da Nova Zelândia, pelo menos uma pessoa está em estado grave
Por: AFP

Publicado em: 11/03/2024 10:53

Avião da companhia Latam registrou "um incidente técnico" que causou uma forte turbulência e impulsionou as pessoas para o teto (Foto: Divulgação/Latam)
Avião da companhia Latam registrou "um incidente técnico" que causou uma forte turbulência e impulsionou as pessoas para o teto (Foto: Divulgação/Latam)
Doze passageiros de um voo da companhia Latam oriundo de Sydney foram hospitalizados nesta segunda-feira (11) na Nova Zelândia depois que seu avião, com destino para o Chile via Auckland, registrou "um incidente técnico" que causou uma forte turbulência e impulsionou as pessoas para o teto. 

Pelo menos uma pessoa está em estado grave, informaram os serviços de emergência da Nova Zelândia, que revisaram para baixo o número de hospitalizados, de 13 para 12. 

Os passageiros explicaram à imprensa local que a aeronave, um Boeing 787 Dreamliner, segundo a companhia, perdeu altitude rapidamente quando sobrevoava o mar da Tasmânia e impulsionou para o teto todas as pessoas que não usavam cinto de segurança. 

"As pessoas saíram voando, porque não usavam seus cintos", declarou um passageiro à RNZ. 

"Algumas pessoas ficaram bastante feridas. A gente teve medo realmente", disse esse homem, com a voz trêmula. 

O voo LA800 "teve um incidente técnico durante a viagem que provocou um forte movimento", declarou um porta-voz da companhia Latam, com sede no Chile, sem dar mais detalhes. 

O avião, que ia para Santiago, aterrissou "como estava previsto no aeroporto de Auckland", acrescentou. O porta-voz lamentou profundamente "os inconvenientes causados por essa situação". 

Até agora, as circunstâncias do incidente não foram esclarecidas. 

Os serviços de resgate indicaram que foram alertados por volta das 16h locais (00h em Brasília), quando o avião começou a aterrissar no aeroporto de Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia. 

Dez ambulâncias e outros veículos médicos foram mobilizados para atender os feridos. 

"Nossas equipes e ambulância avaliaram o estado de cerca de 50 pacientes, um dos quais se encontrava em estado grave", indicou à AFP Gerard Campbell, dos serviços de emergência St. John. 

"Doze pacientes foram levados ao hospital", acrescentou. Em uma declaração anterior, havia mencionado 13 feridos. 

Pelo menos três deles faziam parte da tripulação. 

Em vídeos divulgados na página do NZ Herald vê-se vários tripulantes e passageiros que atendem uma mulher ferida no piso do avião, enquanto se ouve nos alto-falantes uma mensagem perguntando se há um médico a bordo. 

"Recolhendo informação"
 
A companhia Latam indicou que o avião era um Boeing 787 Dreamliner. 

O incidente ocorre dois meses depois de outro modelo da fabricante americana registrar um problema. 

No início de janeiro, uma porta de um Boeing 737 MAX 9, da companhia Alaska Airlines, soltou pouco depois da decolagem. Houve vários feridos leves. 

A Comissão de Investigação de Acidentes de Transporte da Nova Zelândia indicou que foi informada do incidente e que estava "recolhendo mais informação para anunciar uma decisão sobre se abriria uma investigação". 

O incidente também pode ser investigado pelas autoridades chilenas caso seja decidido que o incidente ocorreu no espaço aéreo internacional. 

Até agora, os representantes da Boeing não fizeram nenhum comentário. 

Recentemente, os 737 MAX do fabricante americano foram imobilizados por quase dois anos após dois acidentes de duas de suas aeronaves: o primeiro, no final de 2018, da companhia indonésia Lion Air, e o segundo, no início de 2019, da empresa etíope Ethiopian Airlines, quando morreram mais de 350 pessoas. 

Nos dois casos, um problema vinculado a um novo programa estava na origem dos acidentes. 

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.