Diario de Pernambuco
Busca

REINO UNIDO

Tribunal britânico decide hoje sobre extradição de Assange

Supremo Tribunal britânico vai decidir se o fundador do WikiLeaks pode recorrer do pedido de extradição aos Estados Unidos, onde é judicialmente perseguido

Publicado em: 20/02/2024 13:18

Julian Assange, fundador do WikiLeaks (Foto: Justin TALLIS/AFP)
Julian Assange, fundador do WikiLeaks (Foto: Justin TALLIS/AFP)
O Supremo Tribunal britânico vai decidir hoje (20) se o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pode recorrer do pedido de extradição para os Estados Unidos, onde é judicialmente perseguido pela divulgação de documentos confidenciais. Esta é a última tentativa perante a justiça britânica, uma vez que todas as outras vias de recurso se esgotaram.
No Reino Unido, manifestantes já protestam em frente ao Supremo Tribunal de Justiça, em Londres, exigindo a libertação de Assange, que está detido desde 2019 no país à espera desta decisão judicial. A esposa de Julian Assange também garantiu que o marido não está em condições físicas e psicológicas de ser extraditado. 
 
Assange é acusado de espionagem por ter divulgado vídeos e mais de 700 mil documentos confidenciais de atividades militares, diplomáticas e ações de guerra das tropas norte-americanas no Iraque e no Afeganistão. O jornalista enfrenta mais de 18 acusações criminais por violar a Lei de Espionagem e pode ser condenado até 175 anos de prisão.
 
Mas as declarações de apoiadores em todo o mundo ressaltam a contribuição de Assange para o estabelecimento da paz mundial por meio da publicação de documentos classificados pelo Wikileaks sobre crimes, tortura e violações dos direitos humanos praticados pelos EUA e seus aliados no Iraque e Afeganistão.  Eles destacam ainda que o trabalho de Assange e do Wikileaks contribuiu com mecanismos internacionais pela verdade e justiça, como o Tribunal Penal Internacional, cujo objetivo é eliminar a impunidade processando as mais graves atrocidades conhecidas pela humanidade: crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídios.  O próprio site WikiLeaks e Assange já foram indicados ao Prêmio Nobel da Paz.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.