Diario de Pernambuco
Busca

GUERRA

Em Davos, Guterres diz que o direito internacional é ignorado em Gaza

Secretário-Geral da ONU reiterou o apelo a um cessar-fogo humanitário imediato no local e a um processo que leve a paz duradoura a israelitas e palestinos

Publicado em: 17/01/2024 11:36

Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres (Foto: Angela Weiss/AFP)
Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres (Foto: Angela Weiss/AFP)
O Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, declarou no Fórum Econômico Mundial, em Davos, que o direito internacional está sendo ignorado na Faixa de Gaza, com as partes envolvidas “espezinhando” as Convenções de Genebra, que constituem o núcleo do Direito Internacional Humanitário e no qual se regula a condução dos conflitos armados e busca limitar os seus efeitos. 
 
Guterres ainda reiterou o apelo a um cessar-fogo humanitário imediato na Faixa de Gaza e a um processo que conduza a uma paz duradoura para israelitas e palestinos, com base numa solução de dois Estados. 
 
“Esta é a única forma de travar o conflito em Gaza, evitar sofrimento e evitar um alastramento que poderia incendiar toda a região”, afirmou o líder da ONU.
 
Também em Davos, o secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, foi questionado se as vidas judaicas são mais importantes do que as vidas palestinas e cristãs e, respondeu categoricamente que “não”.  “O que estamos vendo em Gaza é de cortar as entranhas. O sofrimento me parte o coração”, admitiu, mas disse que, no entanto, a questão é saber o que deve ser feito.
 
Blinken considera que um Estado palestino, para ser eficaz, precisa de uma estrutura governamental que dê às pessoas o que elas querem e que trabalhe com Israel. O secretário de Estado dos EUA apontou que há uma profunda oportunidade de regionalização no Oriente Médio, mas reconheceu que o desafio é realizá-la.

Tags: hamas | guerra | palestina | israel | onu | gaza |

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.