Diario de Pernambuco
Busca

REPRESENTAÇÃO

Brasileiro é eleito vice-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Rodrigo Mudrovitsch está na entidade desde 2022, após indicação do então presidente Jair Bolsonaro

Publicado em: 29/11/2023 22:52 | Atualizado em: 29/11/2023 22:48

Rodrigo Mudrovitsch é novo vice-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA (foto: Divulgação)
Rodrigo Mudrovitsch é novo vice-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA (foto: Divulgação)

O advogado brasileiro Rodrigo Mudrovitsch, 38 anos, foi eleito o novo vice-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos (OEA). A nova diretoria foi anunciada pela entidade na noite de terça-feira (27). Ocupa o cargo de presidente uma juíza de Costa Rica, Nancy Hernández López. 

 

"Tive a honra de ser eleito Vice-Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos para o biênio 2024-2025. Agradeço enormemente aos meus pares pelo voto de confiança que me foi dado para exercer essa tão importante função. Cumprimento também a Juíza Nancy Hernández López, que merecidamente foi escolhida para assumir a Presidência do Tribunal a partir de janeiro", celebrou o advogado nas redes sociais. Ambos iniciam o mandato em 1 de janeiro de 2024 e permanecem até 31 de dezembro de 2025.

 

Mudrovitsch foi indicado para ser juiz da Corte em 2021 pelo então presidente Jair Bolsonaro. À época, a votação para sua entrada foi de 19 votos, sendo 24 o número de votantes. No ano seguinte, 2022, ele assumiu o cargo por seis anos. 

 

Como vice-presidente da Corte internacional, o brasileiro poderá realizar as funções de presidente quando Nancy estiver ausente. López tem como atribuições presidir as sessões da Corte Interamericana, representar o órgão institucionalmente, comparecer na Assembleia Geral da OEA e decidir sobre a concessão de medidas urgentes para proteção dos direitos humanos.

 

 

Quem é Rodrigo Mudrovitsch

 

Rodrigo Mudrovitsch é formado em Direito pela Universidade de Brasília (UnB) — onde também concluiu o mestrado em Direito, Estado e Constituição — e doutor em Direito Constitucional pelo Departamento de Direito do Estado da Universidade de São Paulo (USP). Além disso, também foi professor de graduação e pós-graduação em Direito Público.

 

Na Câmara dos Deputados, atuou como secretário-geral da Comissão de Juristas, que foi responsável por elaborar projeto de sistematização das normas de processo constitucional e conceber a nova Lei de Improbidade Administrativa. Ainda foi membro de grupo de trabalho destinado à elaboração de estudos e indicação de políticas sobre a eficiência judicial e melhoria da segurança pública. Na Ordem Brasileira dos Advogados (OAB), atuou como presidente da Comissão Especial de Estudos em Direito Penal, foi procurador nacional de Direitos Humanos e também participou das comissões de Defesa da República e da Democracia e a de Estudos Constitucionais. 

 

 

Confira as informações no Correio Braziliense.  

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.