Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

TAIWAN

China suspende parceria com o governo dos EUA em cinco áreas

Publicado em: 06/08/2022 16:30

 (crédito: Hector Retamal/AFP)
crédito: Hector Retamal/AFP
Enquanto o Exército de Libertação Popular (ELP) prosseguia com exercícios militares sem precedentes em seis pontos ao redor de Taiwan, o Ministério das Relações Exteriores da China suspendeu a cooperação com os Estados Unidos em matéria de aquecimento global, repatriação de imigrantes ilegais, assistência jurídica em assuntos criminais, e combate a crimes transnacionais e a antinarcóticos. A decisão do governo de Xi Jinping surpreendeu os EUA, que convocaram o embaixador chinês, Qin Gang, para prestar explicações.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, declarou ao jornal The Washington Post que autoridades da Casa Branca afirmaram a Qin que as recentes ações militares chinesas — que incluíram o disparo de mísseis sobre a principal ilha de Taiwan — foram "irresponsáveis e em desacordo com a meta de longa data dos EUA de manter a paz e a estabilidade" na região. Kirby pediu à China que interrompa as manobras bélicas e diminua os ânimos. "Os chineses podem fazer muito para reduzir as tensões cessando seus exercícios militares provocativos e baixando o tom", disse.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, anunciou que seu país "suspenderá as negociações sino-americanas sobre a mudança climática" e cancelará um encontro entre dirigentes militares, assim como duas reuniões sobre segurança. Por sua vez, John Kerry, enviado especial do presidente John Kerry para o clima, advertiu sobre as consequências das medidas diplomáticas adotadas pela China. "A suspensão da cooperação não pune os Estados Unidos — pune o mundo, particularmente os países em desenvolvimento", afirmou o norte-americano.

Kerry classificou com "decepcionante e equivocado" o anúncio da suspensão "unilateral" do trabalho bilateral sobre o clima. "A crise climática não é um tema bilateral, mas universal. Não se trata de geopolítica ou de ideologia. Nenhuma nação deveria impedir o progresso em questões transnacionais existenciais por causa de diferenças."
 
Sanções
 
As retaliações à visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan foram além. Um porta-voz da chancelaria chinesa afirmou que Pequim adotou sanções contra a congressista e seus familiares, "de acordo com as leis relevantes da República Popular da China". As medidas não foram detalhadas. Segundo o porta-voz, ao desconsiderar as graves preocupações da China, Pelosi insistiu na visita. 

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, externou preocupação com o acirramento das tensões diplomáticas entre EUA e China. "Para o secretário-geral, não dá para resolver os problemas mais urgentes do mundo sem diálogo e cooperação efetiva entre os dois países", disse o porta-voz Stéphane Dujarric. 

A húngara Zsuzsa Anna Ferenczy — professora da Universidade Nacional Dong Hwa, em Hualien (Taiwan) —, lembrou ao Correio que as relações entre China e Estados Unidos eram dominadas por uma "rivalidade intensa e hostil" mesmo antes da visita de Pelosi. "Pequim está ciente de que, para Washington, garantir um papel de liderança na região do Indo-Pacífico é um objetivo estratégico, algo que Pequim também deseja para si, à sua maneira. A China quer ver o seu 'bairro' livre da influência norte-americana e, em vez disso, projetar o seu próprio. Nessa disputa por influência, Taiwan está no centro da competição", explicou. 

Segundo Zsuzsa, EUA e China percebem um ao outro como potências revisionistas no que diz respeito ao Estreito de Taiwan. "Pequim acusa Washington de apoiar a independência de Taiwan, algo que a Casa Branca rejeita. O governo de Joe Biden também insiste que tem o direito de cooperar com Taiwan", afirmou. Ela aposta que, na ausência de diálogo oficial e com os passos rumo à escalada dados pela China na região, a distância entre chineses e americanos tende a aumentar. "Eu espero uma escalada ainda maior por parte da China, que usará ampla gama de mistura e de táticas. Tudo isso é perigoso e desestabilizador. É difícil dizer o que, nesta fase, permitirá a desescalada e o retorno ao diálogo", concluiu a especialista húngara. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com Orson Lemos (TRE-PE), dra. Elizabeth Moreno e Cristiano Carrilho
Manhã na Clube: entrevistas com dra. Silvia Fontan, oncologista, e a advogada Géssica Araújo
Taiwan inicia testes militares e acusa Pequim de preparar invasão
Incêndio em terceiro tanque de petróleo no oeste de Cuba
Grupo Diario de Pernambuco