Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ENERGIA

UE afirma que redução do gás russo confirma que Europa deve se tornar independente de Moscou

Por: AFP

Publicado em: 26/07/2022 08:50

 (Foto: Nikolay DOYCHINOV / AFP)
Foto: Nikolay DOYCHINOV / AFP
A redução drástica nas entregas de gás anunciada pela Gazprom é "mais uma prova" de que a Europa deve "reduzir sua dependência do abastecimento russo o mais rápido possível", disse nesta terça-feira (26) o ministro da Energia tcheco Jozef Sikela, cujo país detém a presidência rotativa do Conselho da União Europeia. 

"Unidade e solidariedade são as melhores armas que temos contra [o presidente russo Vladimir] Putin e tenho certeza de que vamos mostrar isso hoje", afirmou Jozef Sikela, antes de uma reunião em Bruxelas com seus 27 homólogos da UE para chegar a um acordo sobre um plano de economia do consumo de gás. 

A gigante do gás Gazprom anunciou na segunda-feira uma nova redução no fornecimento de gás para a Europa através do gasoduto Nord Stream, para 33 milhões de metros cúbicos por dia a partir de quarta-feira, cerca de 20% da capacidade do gasoduto. A empresa alegou a necessidade de manutenção de uma turbina. 

Na semana passada, a Comissão Europeia pediu uma redução de 15% na demanda de gás na Europa a partir de agosto, antecipando uma redução nas entregas russas. Até o ano passado, cerca de 40% das importações de gás da UE vinham da Rússia. 

O plano de Bruxelas, que será debatido pelos 27 Estados-membros nesta terça-feira, exige que cada país "faça todo o possível" para reduzir seu consumo de gás em pelo menos 15% entre agosto de 2022 e março de 2023 em relação à média dos últimos cinco anos do mesmo período. A medida visa somar forças em caso de emergência para ajudar especialmente a Alemanha, altamente dependente do gás russo. 

No entanto, a proposta da UE, apoiada por Berlim, gerou polêmica em vários países-membros como Polônia, Espanha, Itália, Grécia e Portugal, que criticaram o fato de não considerar as especificidades de cada um. 

Os diplomatas dos Estados-membros modificaram o texto com a esperança de conseguir um acordo nesta terça-feira, segundo uma nova versão consultada pela AFP. Entre outras coisas, a proposta prevê que a meta de 15% seja adaptada à situação particular de cada país por meio de uma série de isenções.
TAGS: ucrânia | gás | russia | conflito | ue | energia |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco