Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

HOLOCAUSTO

Sobrevivente de Auschwitz deplora fala de primeiro-ministro da Hungria

Publicado em: 27/07/2022 20:03

 (crédito: Vardi Kahana/Divulgação)
crédito: Vardi Kahana/Divulgação
Um pronunciamento recente do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, provocou a ira de sobreviventes do Holocausto nazista e da comunidade internacional. Envergonhada pelo que chamou de "virada iliberal" do chefe de governo húngaro e por um "discurso nazista puro digno de Joseph Goebbells (ministro da Propaganda de Adolf Hitlter, entre 1933 e 1945)", Zsuzsa  Hegedus, conselheira de Orbán por duas décadas, apresentou sua carta de demissão. O discurso de Orbán foi feito durante viagem à Romênia. "É por isso que sempre lutamos: estamos dispostos a nos misturar, mas não queremos nos tornar pessoas mestiças", declarou. 

Ao abordar a decisão da União Europeia de reduzir a demanda de gás em 15% entre agosto de 2022 e março de 2023, a fim de diminuir a dependência da Rússia, Orbán afirmou: "Não vejo como isso será aplicado — embora, pelo que entendo, o passado nos mostra o know-how alemão sobre isso". Foi uma clara referência às câmaras de gás utilizadas pelos nazistas para dizimar milhões de judeus em Auschwitz e em outros campos de extermínio. 

"O diabo do racismo, do ódio e do desejo de matar declara, abertamente, a teoria do hitlerismo, oito décadas depois de isso destruir tantos países, tantas cidades e milhões de pessoas. Tudo isso depois das câmaras de gás? Depois de Auschwitz?", disse a polonesa judia Halina Birenbaum, 92 anos, que sobreviveu ao Gueto de Varsóvia e a Auschwitz. "Eu tinha entre 10 e 15 anos no Gueto de Varsóvia, nos campos de Majdanek, Auschwitz, Ravensbruck e Neustadt Gleve. Perdi minha família inteira lá, perdi tudo o que eu tinha. Agora, 80 anos depois, escuto o mesmo discurso? Eu me sinto horrível com isso. Estou ofendida e com medo", disse ela. 

"Em Auschwitz, durante vários meses de 1944, vi trens com milhares de judeus húngaros levados até as câmaras de gás. Vi o fogo saindo de seus corpos. Até hoje sinto o cheiro de sua carne queimando! É mais do que terrível proferir palavras racistas no mundo e, especialmente, por parte do primeiro-ministro da Hungria", concluiu Halina. 

 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco