Diario de Pernambuco
Busca

ACORDO NUCLEAR

Macron acredita que acordo nuclear com Irã ainda é 'possível'

Por: AFP

Publicado em: 23/07/2022 18:55

 (Foto: Lionel BONAVENTURE / POOL / AFP
)
Foto: Lionel BONAVENTURE / POOL / AFP
O presidente da França, Emmanuel Macron, disse neste sábado (23) que ainda é "possível" reviver o acordo nuclear iraniano de 2015, mas apenas se "intervirem o mais rápido possível", após conversas com seu colega iraniano, Ebrahim Raisi.

Macron também "expressou sua decepção" com a falta de progresso após a suspensão das negociações em Viena e enfatizou a necessidade de o Irã retornar ao acordo e cumprir seus compromissos nucleares, segundo comunicado da presidência francesa.

As negociações em Viena entre o Irã e as principais potências, incluindo os Estados Unidos, para reviver o acordo nuclear iraniano de 2015 estão paralisadas desde março.

No final de junho, o Catar sediou conversas indiretas entre o Irã e os Estados Unidos – que se retiraram do acordo em 2018 – na esperança de retomar o processo de negociação, mas terminaram sem nenhum progresso.

Durante a reunião de duas horas com Macron, "Raisi condenou as ações e posições não construtivas dos Estados Unidos e dos países europeus" sobre a questão nuclear, segundo a presidência iraniana.

Desde abril de 2021, são realizadas negociações, sob os auspícios da União Europeia (UE), para reintegrar os Estados Unidos no acordo alcançado em 2015 em Viena entre o Irã e os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, China , Rússia, França e Reino Unido), além da Alemanha e da UE.

Os Estados Unidos se retiraram do pacto durante a presidência do republicano Donald Trump e reaplicaram sanções contra o Irã.

Em resposta, Teerã foi ignorando progressivamente o cumprimento dos compromissos do acordo.

Na semana passada, uma autoridade iraniana confirmou que seu país tinha"capacidade técnica para construir uma bomba nuclear", embora tenha acrescentado que "não havia tomado a decisão de construí-la".

O Ministério das Relações Exteriores do Irã disse que "não houve mudança" na política nuclear de Teerã, referindo-se a uma fatwa (decreto religioso) que proíbe "armas de destruição em massa".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários