Diario de Pernambuco
Busca

MEDO

Família teme por silêncio sobre manifestante de Hong Kong detido na China

Por: AFP

Publicado em: 28/07/2022 08:55

 (Foto: AFP / Isaac Lawrence)
Foto: AFP / Isaac Lawrence
A família de um manifestante de Hong Kong detido na China continental após uma tentativa fracassada de fugir para Taiwan não tem notícias dele há quase meio ano e está preocupada com sua saúde, disse seu irmão à AFP. 

Tang Kai-yin, 31 anos, fazia parte de um grupo de 12 ativistas de Hong Kong capturados pela guarda costeira chinesa em agosto de 2020 enquanto tentavam fugir de lancha para evitar perseguição após os protestos pró-democracia em massa de 2019. 

O grupo, com exceção de dois menores, foi condenado em um julgamento a portas fechadas na cidade chinesa de Shenzhen. Tang recebeu a sentença mais alta, três anos de prisão, como organizador da fuga.

Com restrições de viagem devido à pandemia, a família de Tang não pôde visitá-lo e dependeu de cartas. Mas não tem notícias dele desde fevereiro, segundo um irmão de Tang, que pediu para não ser identificado. 

Na segunda-feira, uma carta endereçada a Tang foi devolvida a Hong Kong pela segunda vez, com uma nota manuscrita dizendo que o serviço postal não conseguiu entrar em contato com o destinatário. 

"Nossa mãe ficou muito ansiosa, como se tivesse sido trazida de volta aos dias em que meu irmão desapareceu", disse o irmão. "Ela não consegue comer nem dormir. Às vezes ela acorda no meio da noite chorando e acaba sentada até o amanhecer", acrescentou. 

O irmão disse que a maior preocupação é com a saúde de Tang, que foi internado em um hospital meses atrás por um ataque de asma. Ele indicou que a prisão não ofereceu mais informações sobre sua recuperação. 

Na quarta-feira, após a publicação de relatos de falta de contato com Tang, um aplicativo da prisão atualizou dois relatórios disciplinares acusando-o de "infringir as regras de estudo" em maio e de "reprovar nos exames" em julho. 

Tang e o colega ativista Quinn Moon são os únicos do grupo de 12 que permanecem presos na China continental, embora este último deva ser libertado em agosto. Os outros dez foram enviados para Hong Kong, onde foram julgados por acusações relacionadas aos protestos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários