Diario de Pernambuco
Busca

ESTADOS UNIDOS

Em home-office, mulher é demitida após descobrir que empresa a vigiava

Por: Portal Uai

Publicado em: 21/07/2022 13:45 | Atualizado em: 21/07/2022 14:20

 (crédito: Reprodução/TikTok/Montagem)
crédito: Reprodução/TikTok/Montagem
Nos Estados Unidos, Michae Jay descobriu da pior forma como eram os métodos da empresa para a qual trabalhava de maneira remota. Sem seu conhecimento, a instituição ligava a câmera de seu laptop, gravando vídeos e tirando fotos.

A americana só descobriu que estava sendo gravada quando foi flagrada preparando um lanche na cozinha durante horário de trabalho. Ela foi repreendida e, depois que tornou o caso público, acabou demitida.

Em vídeos publicados no TikTok, com mais de meio milhão de visualizações, a jovem revelou que a organização para a qual ela trabalhava a espionava o tempo todo por meio de sua webcam.
 

Jay contou que a empresa bloqueou o acesso de seu computador à plataforma de trabalho por ela se afastar alguns minutos do teclado, ela mencionou que trabalhava para uma empresa que faz campanhas para a companhia de tecnologia Klarna. A ex-funcionária mostra a tela do computador congelada com uma imagem capturada pela própria webcam, onde é vista afastada da mesa do laptop.

"Não está na mesa. Ação aplicada. Por favor, obtenha aprovação de seu superior para tentar novamente", diz a mensagem registrada na tela.

"Essas pessoas bloquearam meu computador. Bloquearam meu computador porque eu estava na cozinha preparando um lanche. Eles só querem que a gente trabalhe [enquanto estamos] em casa", acrescentou Michae Jay.

A mulher destacou que a empresa não permitiria que ela desligasse sua webcam, porque como ela descobriu depois eles [a empresa] usavam para "monitorá-la e tirar fotos dela ao longo do dia". Além disso, ela alegou que seu computador era bloqueado se ela fosse vista se levantando de seu assento, usando seu celular ou se outra pessoa entrasse na sala.

De acordo com as informações do portal Daily Dot, Jay foi demitida de seu trabalho após postar os vídeos nas redes sociais. Em vídeos subsequentes, a moça rasgou o verbo e fez duras críticas sobre a empresa em que trabalhava. Ela afirma que não foi avisada, quando aceitou o emprego, que seu salário dependeria do número de horas que ela trabalhava por semana e que os patrões muitas vezes tentavam argumentar que os funcionários costumavam trabalhar menos horas do que o devido.

Além disso, ela comentou sobre o linguajar antiprofissional, supostamente utilizada pelos gestores e alega que a instituição apresenta alto índice de rotatividade pelos motivos citados por ela.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários