Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

GUERRA NO LESTE EUROPEU

Kiev entra novamente na mira dos ataques russos; Putin ameaça ofensiva

Publicado em: 06/06/2022 11:07

 (Foto: AFP)
Foto: AFP
Após mais de um mês de "trégua", Kiev voltou ontem a ser atacada pelos russos, que vinham concentrando as ofensivas na região do Donbass. Um dos alvos foi uma infraestrutura ferroviária localizada 10km a sudeste do centro da capital da Ucrânia. O Kremlin anunciou ter destruído blindados entregues ao país por governos do Leste Europeu. De Moscou, o presidente Vladimir Putin alertou, horas depois, que Moscou atacará novas áreas se a Ucrânia receber mísseis de longo alcance do Ocidente.


De acordo com as informações oficiais, não houve mortes. Uma pessoa ferida foi levada ao hospital, segundo anunciou o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, no Telegram. Pouco depois, recebeu alta. Um edifício de 10 andares teve todas as janelas quebradas.

Segundo a empresa ferroviária, cerca de 700 funcionários trabalham em tempo normal nas instalações, que tem diversos hectares. "Ouvi seis explosões às 5h57 da manhã", contou Natalia, 72 anos, ex-funcionária da instalação bombardeada, que não quis informar o sobrenome.

Moscou destacou ter atingido armamento doado aos ucranianos. "Mísseis de alta precisão e longo alcance disparados pelas forças aeroespaciais russas sobre o subúrbio de Kiev destruíram tanques T-72 entregues por países do Leste Europeu e outros blindados que estavam em hangares", disse o porta-voz do ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov.

Artifício
 
Chefe adjunto do conselho de supervisão da companhia ferroviária ucraniana, Serhiy Leshchenko rebateu a informação e negou que houvesse armamento no local. "Esse é outro exemplo de falsificação por parte da Rússia para justificar essa guerra brutal", declarou à agência de notícias France-Presse. "Não há nada militar lá, eles bombardeiam qualquer coisa", afirmou Leonid, 63 anos, que trabalhou por 45 no local.

A ofensiva destruiu diversos galpões. Uma enorme cratera se abriu na instalação, causada por um projétil. A capital havia sofrido o último bombardeio em 28 de abril, dia da visita do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Com a "trégua", quase dois terços dos 3,5 milhões de habitantes de Kiev retornaram à capital. As embaixadas dos países ocidentais também voltaram a funcionar.

O prefeito ressaltou que não há como dar garantias de segurança. As tropas russas levantaram o cerco à capital ucraniana e ao norte do país no final de março, para concentrar seus esforços no Donbass, no leste, que os separatistas pró-russos controlam parcialmente desde 2014. Autoridades ucranianas reconhecem que a Rússia não abandonou sua ambição de tomar Kiev.

Putin advertiu que usará todo seu poder de fogo se o Ocidente mantiver a disposição de ajudar os ucranianos com mísseis de longo alcance. "Então, tiraremos as conclusões apropriadas e usaremos nossas armas (...) para atacar alvos que não atingimos até agora", disse o líder russo, sem especificar a que locais estava se referindo, segundo trechos de uma entrevista transmitida ontem à noite pelo canal Rossiya-1. Na semana passada, os Estados Unidos anunciaram que fornecerão à Ucrânia um sistema avançado de mísseis.

Cidade dividida
 
Enquanto isso, combates de rua ocorreram no centro de Severodonetsk, uma cidade estratégica para russos e ucranianos na região do Donbass. Os combatentes de Putin perderam terreno, segundo Serhiy Haiday, governador da região de Luhansk, parcialmente controlada por separatistas pró-Rússia desde 2014, e da qual Severodonetsk é a capital administrativa ucraniana.

"Os russos controlavam cerca de 70% da cidade, mas nos últimos dois dias foram repelidos. Nossas forças armadas limparam a metade da cidade", afirmou, em uma entrevista publicada em seus perfis nas redes sociais. "Metade da cidade está realmente controlada por nossas forças", insistiu.

De acordo com Gaidai, o general russo Alexander Dvornikov estabeleceu a meta de até o dia 10 "tomar Severodonetsk completamente ou controlar a rota Lyssytchansk-Bajmut", que abrirá o caminho para Kramatorsk, a capital ucraniana de Donetsk, a outra maior região do Donbass. "Todas as forças (russas) estão concentradas nessas duas tarefas", disse ele.

A guerra continua em outras frentes. "A Rússia continua se esforçando para ocupar todo o nosso Estado", assinalou o ministro da Defesa ucraniano, Oleksi Reznikov. Segundo ele, o Kremlin sonha em "reunir as terras" que considera "suas", incluindo "Polônia, países bálticos, Eslováquia e outros".

Desde o início da invasão, a Rússia triplicou a área ucraniana sob seu controle, para cerca de 125.000km², ou 20% do país, segundo o presidente Volodymyr Zelensky.

Papa pede diálogo
O papa Francisco pediu, ontem, à Ucrânia e à Rússia que retomem "negociações reais" para acabar com o conflito, deflagrado em 24 de fevereiro. Em sua mensagem das celebrações de Pentecostes, diante de 25 mil fiéis reunidos na Praça São Pedro, no Vaticano, o pontífice externou a preocupação com "uma perigosa escalada" da já grave situação.
TAGS: ucrânia | rússia | guerra |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Grupo Diario de Pernambuco