Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

IDENIZAÇÃO

Google terá que indenizar político australiano por vídeos difamatórios no YouTube

Por: AFP

Publicado em: 06/06/2022 09:34

 (Foto: google)
Foto: google
O Tribunal Federal da Austrália condenou o Google a pagar mais de 500.000 dólares por danos a um político após considerar que ele sofreu difamação por vídeos postados na plataforma YouTube, que pertence ao gigante americano da internet.

Em uma série de publicações em 2020, o comediante Jordan Shanks acusou de corrupção o então primeiro-ministro de Nova Gales do Sul, John Barilaro, imitando um sotaque italiano para ironizar suas origens.

Barilaro, que se aposentou da política este ano, alegou que os vídeos eram racistas e o deixaram traumatizado. Ele denunciou a empresa americana por não retirar os vídeos ofensivos quando seus advogados enviaram uma petição em dezembro de 2020.

O tribunal considerou que a publicação dos vídeos na plataforma do Google levaram à renúncia prematura do político e "o traumatizaram consideravelmente".

Em sua análise, o tribunal destaca que Shanks "precisava do YouTube para disseminar seu veneno" e afirma que o Google estava disposto a unir-se ao comediante "para obter receita como parte de seu modelo de negócios".

A AFP procurou o Google para comentar o caso, mas não recebeu resposta até o momento.

Barilaro concluiu no fim do ano passado um acordo extrajudicial com o comediante, que se comprometeu a pedir desculpas publicamente e a editar os vídeos que registraram mais de um milhão de visualizações no YouTube.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Nova presidente da Caixa toma posse e anuncia primeiras medidas
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Grupo Diario de Pernambuco