Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

FOME

Crise alimentar vai provocar milhões de mortes, afirma diretor de organização humanitária

Por: AFP

Publicado em: 23/06/2022 09:20

 (Foto: Steve Knutson/ Unsplash)
Foto: Steve Knutson/ Unsplash
A crise alimentar global provocada pela guerra na Ucrânia vai provocar "milhões de mortes" ao expor a população mais vulnerável a doenças infecciosas, o que pode resultar em uma catástrofe sanitária, advertiu o diretor de uma importante organização humanitária.

O bloqueio naval dos portos no Mar Negro interrompeu os envios de produtos da Ucrânia, o quarto maior exportador mundial de de trigo e milho, o que provocou o medo de escassez e fome nos países pobres. 

As consequências da falta de alimentos significam que muitas pessoas morrerão de fome, mas também pelos efeitos debilitantes da desnutrição, declarou à AFP Peter Sands, diretor executivo do Fundo Global de Combate à aids, tuberculose e malária.

"Acho que provavelmente já começamos nossa próxima crise de saúde. Não é um novo patógeno, mas significa que as pessoas mal nutridas serão mais vulneráveis às doenças existentes", disse em uma entrevista à margem de uma reunião de ministros da Saúde do G20 na cidade indonésia de Yogyakarta.

"Eu acredito que o impacto combinado das doenças infecciosas, da escassez de alimentos e a crise de energia... podemos estar falando de milhões de mortes extras por causa disso", acrescentou. 

Os governos deveriam tentar reduzir o impacto da crise alimentar ao fornecer atendimento médico de primeira necessidade às comunidades mais pobres, que serão as mais vulneráveis, disse o ex-banqueiro britânico, que atualmente comanda um fundo humanitário de 4 bilhões de dólares.

"Isto significa priorizar o atendimento de saúde primário, o atendimento que é prestado nos vilarejos, nas comunidades. Os hospitais são importantes, mas quando se enfrenta este tipo de desafio, o mais importante é o atendimento de saúde primário". 

"Desastre"
 
A luta para conter a propagação do coronavírus desviou os recursos para combater a tuberculose, que em 2020 matou 1,5 milhão de pessoas, segundo os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

"Foi um desastre para a tuberculose", afirmou Sands.

Para o especialista em saúde, resolver a crise alimentar agora é fundamental para ajudar no tratamento da tuberculose, a segunda doença infecciosa mais letal do mundo.

Os países ocidentais e a Ucrânia acusam a Rússia de tentar pressioná-los ao bloquear as exportações de cereais diante dos crescentes temores de uma fome global. 

Moscou respondeu que as sanções ocidentais contra a Rússia são responsáveis pela escassez que afeta Oriente Médio e África. 

A Alemanha será sede na sexta-feira de uma conferência internacional sobre a crise alimentar, que terá a participação do chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken.

Para Sands, a tuberculose é "a pandemia dos pobres e por isto não atrai o mesmo valor em investimentos para pesquisa". 

"Isto é uma tragédia porque é uma doença que sabemos como evitar, como curar e como eliminar", concluiu. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Grupo Diario de Pernambuco