Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PARTYGATE

Conselheiro de ética do primeiro-ministro Boris Johnson renuncia

Por: AFP

Publicado em: 16/06/2022 12:04 | Atualizado em: 16/06/2022 12:13

 (Foto: Leon Neal/AFP)
Foto: Leon Neal/AFP
O conselheiro do primeiro-ministro britânico Boris Johnson para a ética e o cumprimento do código de ética ministerial apresentou a demissão, mais uma "surpresa" no contexto do "partygate", o escândalo das festas realizadas em Downing Street durante o confinamento.

O líder conservador, sofrendo assim um novo revés, disse nesta quinta-feira (16/6) que "lamentava" ter recebido a carta de renúncia de Christopher Geidt, expressando sua "surpresa". Geidt explicou na carta que pensava que poderia continuar em sua posição após o escândalo do "partygate", mas decidiu renunciar depois de se encontrar em uma "posição impossível" por um novo pedido.

"Fui encarregado de aconselhar sobre a intenção do governo de considerar medidas que corram o risco de violar deliberadamente o código ministerial. Esse pedido me colocou em uma posição impossível e odiosa", escreveu ele. Não deu mais detalhes, mas considerou que a ideia de que o primeiro-ministro "poderia de alguma forma deliberadamente quebrar seu próprio código é uma afronta".

Johnson respondeu que "pedia seu conselho antes de tomar uma decisão" sobre qualquer assunto.

Geidt é o segundo conselheiro de ética ministerial a renunciar em três anos, depois de Alex Allan, que renunciou em 2020, depois que Johnson se recusou a aceitar as descobertas sobre alegações de assédio trabalhista feitas contra a secretária do Interior Priti Patel.

A renúncia de Geidt, ex-diplomata que também foi secretário particular da rainha Elizabeth II por dez anos, é um novo revés para Johnson, que recentemente se livrou de uma moção de censura interna na qual mais de 40% dos deputados conservadores tentaram destituí-lo.

Embora tenha mantido o cargo e não possa ser alvo de outro voto interno de confiança por um ano, o líder conservador, cuja popularidade continua caindo, viu sua legitimidade minada pela magnitude da rebelião em suas fileiras.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Quem é Júlio Lancellotti, o padre antissistema que dá esperança aos pobres
Grupo Diario de Pernambuco