Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

POLITICA

Congresso dos EUA analisa tentativa de Trump de 'corromper' o Departamento de Justiça

Por: AFP

Publicado em: 23/06/2022 11:56

Membros da audiência do Comitê Seleto da Câmara para Investigar o Ataque de 6 de janeiro sentam-se sob uma tela que mostra o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, dirigindo-se a uma multidão de apoiadores antes da multidão atacar o Capitólio dos EUA, durante a quarta audiência do Comitê Seleto da Câmara para Investigar o 6 de janeiro Ataque ao Capitólio dos EUA no Cannon House Office Building em Washington, DC, em 21 de junho de 2022. (Foto: ROBERTO SCHMIDT / AFP)
Membros da audiência do Comitê Seleto da Câmara para Investigar o Ataque de 6 de janeiro sentam-se sob uma tela que mostra o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, dirigindo-se a uma multidão de apoiadores antes da multidão atacar o Capitólio dos EUA, durante a quarta audiência do Comitê Seleto da Câmara para Investigar o 6 de janeiro Ataque ao Capitólio dos EUA no Cannon House Office Building em Washington, DC, em 21 de junho de 2022. (Foto: ROBERTO SCHMIDT / AFP)
Parlamentares que investigam a insurreição do ano passado contra o Capitólio dos Estados Unidos discutem nesta quinta-feira os esforços de Donald Trump para transformar o Departamento de Justiça em seu escritório de advocacia "pessoal" com o objetivo de anular a eleição na qual foi derrotado por Joe Biden. 

Na quinta audiência de sua investigação de um ano sobre os fatos, o painel da Câmara destacará as tentativas de Trump de “corromper” o Departamento de Justiça “para apoiar sua tentativa de anular a eleição”, disse o presidente da comissão, Bennie Thompson. 

Os legisladores revisarão as tensões no Departamento de Justiça no fim de semana anterior à insurreição de 6 de janeiro de 2021, quando Trump tentou colocar um homem de confiança no comando da pasta. 

"Vamos analisar especificamente como o presidente tentou fazer mal uso do departamento para avançar sua própria agenda e permanecer no poder", disse um assessor da comissão. "E veremos como (...) o presidente estava usando o Departamento de Justiça para seus próprios fins". 

As testemunhas serão Jeffrey Rosen, procurador-geral interino nos últimos dias do governo Trump, seu vice Richard Donoghue, e Steven Engel, ex-procurador-geral assistente do Gabinete de Assessoria Jurídica. 

Rosen assumiu o DoJ depois que Bill Barr renunciou, mas logo se viu no centro dos esforços de Trump para questionar a legitimidade da eleição. 

Trump começou a apoiar um funcionário de nível médio do departamento, pouco conhecido, chamado Jeffrey Clark, que apoiou as teorias do presidente em fim de mandato sobre a suposta e não comprovada fraude eleitoral. 

Clark pressionou seus colegas a enviar cartas para vários estados nos quais Biden venceu, incentivando-os a anular os resultados da votação. 

De acordo com a imprensa, a comissão suspenderá as audiências públicas até depois do feriado de 4 de julho, Dia da Independência, sendo a sessão desta quinta-feira a última até essa data. 

Thompson disse a jornalistas que "novos fluxos significativos de evidências exigiram uma mudança no cronograma de audiências do painel, incluindo a possibilidade de audiências adicionais". 

A nova evidência inclui imagens do documentarista Alex Holder, que teve acesso a Trump e sua família antes e depois de 6 de janeiro.
TAGS: crime | política | eua |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Quem é Júlio Lancellotti, o padre antissistema que dá esperança aos pobres
Grupo Diario de Pernambuco