Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

GUERRA

Rússia diz que não irá usar armas nucleares na guerra

Publicado em: 06/05/2022 14:55

 (Foto: AFP)
Foto: AFP
Em entrevista a imprensa, o porta-voz da chancelaria da Rússia, Alexei Zaitsev,
anunciou que Moscou não vai utilizar armas nucleares na guerra contra a Ucrânia. “O
uso de armas nucleares não se aplica na operação militar especial no território
ucraniano”, afirmou Zaitsev.
 
As forças russas fizeram ontem (5) atividades militares disparando mísseis nas
fronteiras de Kaliningrado, que fica localizada entre a Lituânia e a Polônia. Mas o
ministro da Defesa da Rússia, Serguei Choigu, comunicou que estas tropas russas
estavam somente realizando ataques contra alvos que estavam simulando zonas de
lançamentos de sistemas de mísseis, equipamentos, infraestruturas protegidos e postos
de comando de um suposto inimigo fictício.
 
Por outro lado, de acordo com recentes declarações do diretor da CIA, Willian Burns, os
EUA não descartam essa possibilidade. “Nenhum de nós pode ignorar a ameaça
representada por um potencial recurso a armas nucleares táticas ou de baixo
rendimento”, disse Burns.

Armamento nuclear dos EUA

O almirante Charles Richard, chefe das forças nucleares americanas e do Comando
Estratégico dos EUA (STRATCOM), declarou que a nação americana não enfrentou
uma crise como agora na Ucrânia em mais de 30 anos. “Estamos enfrentando agora uma
dinâmica de dissuasão de crises que só vimos poucas vezes na história da nossa nação.
O presidente Vladimir Putin invadiu simultaneamente uma nação soberana, enquanto
usava ameaças nucleares veladas para deter a intervenção dos Estados Unidos e da
OTAN”, discursou Richard em reunião no Senado dos EUA.
 
Segundo Charles Richard, a China observa o conflito na Ucrânia e irão provavelmente
usar coerção nuclear em seu prol no futuro. “Seu intuito é atingir a capacidade militar
para reunificar Taiwan até 2027, se não antes. O conflito na Ucrânia e a trajetória
nuclear chinesa demonstram que temos um fosso de dissuasão e segurança contra a
ameaça da utilização nuclear limitada. As forças nucleares são o alicerce da capacidade
norte-americana de dissuadir ataques”, alertou o comandante.
 
Para o chefe do Comando Estratégico dos EUA não deve haver déficits orçamentários
ou atrasos no programa de armas, porque podem trazer consequências operacionais.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com Mendonça Filho e dr. Roberto Galvão Filho, oftalmologista
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Grupo Diario de Pernambuco