Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

GUERRA NA UCRÂNIA

Em plena guerra, ministro ucraniano das Finanças já pensa na reconstrução

Por: AFP

Publicado em: 13/05/2022 15:35

 (crédito: AFP)
crédito: AFP
Embora a guerra continue destruindo a Ucrânia, seu ministro das Finanças diz que vê os "primeiros sinais" de recuperação econômica e aponta para a reconstrução do país, em entrevista à AFP.

"A guerra continua, mas não há escalada como nos dois primeiros meses" da invasão russa lançada em 24 de fevereiro, declarou o ministro Sergiy Marchenko em seu gabinete decorado com a bandeira nacional, no bairro histórico de Kiev.

"Continua, mas não no ritmo que vimos antes", acrescenta o ministro de 41 anos que, como muitas autoridades ucranianas, desde o início da guerra mudou o terno para um estilo mais descontraído e usa um moletom com capuz.

Atualmente, as perspectivas são desastrosas para o país, que já era um dos mais pobres da Europa antes da invasão e viu milhões de cidadãos fugirem para o exterior, principalmente mulheres e crianças.

Enquanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um colapso de 35% do PIB ucraniano este ano, Marchenko espera uma queda de 45 a 50% e avalia os danos causados à economia até agora em "cerca de 600 bilhões de dólares".

As receitas com tarifas alfandegárias caíram 70% e as fiscais entre "25 e 30%", as exportações e importações reduziram pela metade e a inflação superou os 16% em abril, enumera.

Mas depois que a captura de Kiev foi considerada, as tropas russas se retiraram dos arredores da capital e do norte, o que abriu caminho para o retorno de parte dos habitantes e a reabertura dos negócios.

"A demanda dos consumidores aumenta, as conexões estão sendo retomadas" em Kiev e na sua região, comemora Marchenko, para quem o regresso das embaixadas à capital "é um sinal para os cidadãos voltarem" e "recomeçarem suas atividades econômicas".

"Meio de sobrevivência"
 
Por outro lado, muitas empresas transferiram suas atividades para o oeste do país - relativamente poupado da guerra -, enquanto os combates continuam no leste e no sul e os ataques russos em todo o país.

A Ucrânia não planeja nenhum calote ou reestruturação da dívida externa, mas "precisamos de 5 bilhões de dólares por mês para cobrir nosso déficit orçamentário", explica o ministro, cuja tarefa prioritária atualmente é garantir o fluxo permanente de ajuda financeira internacional.

"Pedimos apoio financeiro alto, mas o preço também é alto. Para nós é um meio de sobrevivência", diz Marchenko.

"A Ucrânia é atualmente um posto avançado da luta pela democracia. Não podemos perder esta guerra e precisamos de armas, fundos e sanções" contra a Rússia, acrescenta.

Os fundos são necessários para lutar, mas também para reconstruir este país devastado pela guerra.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu à comunidade internacional que elabore um novo "plano Marshall" para seu país, referindo-se ao programa de ajuda econômica dos Estados Unidos para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

"Temos que direcionar os ativos russos [apreendidos] no exterior para reconstruir a Ucrânia", enfatizou o ministro.

"Quando o ocupante entra em território ucraniano, ele rouba. Não apenas destrói infraestruturas e comércios e mata pessoas: rouba grãos e recursos minerais", acusa.

Em sua opinião, as infraestruturas "críticas" são as mais danificadas e devem ser as primeiras a serem reconstruídas.

"A principal tarefa é permitir que as pessoas retornem aos territórios liberados e retomem a vida normal com eletricidade, água e gás e outras infraestruturas, como estradas e pontes", conclui Marchenko.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco