Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CONFLITO

Coalizão militar liderada pela Arábia Saudita liberta rebeldes houthis do Iêmen

Por: AFP

Publicado em: 06/05/2022 11:35

Iemenita armado, em um comício de apoio aos rebeldes Houthis, em Sana, 19 de dezembro de 2018 (Foto: AFP/Mohammed HUWAIS )
Iemenita armado, em um comício de apoio aos rebeldes Houthis, em Sana, 19 de dezembro de 2018 (Foto: AFP/Mohammed HUWAIS )
A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, que apoia no Iêmen o governo local contra os rebeldes houthis, anunciou nesta sexta-feira (6) a libertação de insurgentes, como parte de uma iniciativa chamada de "humanitária".  

Um primeiro avião que transportava prisioneiros houthis "libertados pela iniciativa humanitária saudita" decolou para o Iêmen, informou a agência oficial saudita SPA, citando a coalizão.

O canal de televisão saudita Al Ekhbariya anunciou pouco depois o pouso deste voo em Áden, no sul do Iêmen, com 40 prisioneiros. 

No total, "cem prisioneiros, libertados pela coalizão", embarcarão nesta sexta-feira em três aviões fretados pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), disse à AFP seu porta-voz, Bashir Omar.

Os três voos partem do aeroporto de Abha, no sudoeste da Arábia Saudita, acrescentou, e todos os passageiros são iemenitas detidos em relação com o conflito que assola o Iêmen há sete anos. 

A coalizão destacou que seus destinos eram Áden e Sanaa, a capital controlada pelos rebeldes.

No final de abril, a coalizão anunciou sua intenção de libertar 163 prisioneiros houthis, em apoio a uma trégua frágil, em vigor desde 2 de abril. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco