Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ELEIÇÕES NA FRANÇA

Uma França dividida e outras lições após reeleição de Macron

Por: AFP

Publicado em: 25/04/2022 10:33

 (Foto: Ludovic MARIN / AFP)
Foto: Ludovic MARIN / AFP
O presidente Emmanuel Macron conquistou a reeleição no domingo contra uma extrema-direita em ascensão, em um segundo turno que trouxe à tona as divisões em uma França que o centrista deve agora unir.

A seguir, as principais lições de uma eleição presidencial em que Macron se tornou, com 58,5% dos votos, o primeiro presidente a ser reeleito desde 2002 e Le Pen, com 40,5%, obteve o melhor desempenho da extrema-direita.

Uma França dividida 

A eleição deixou clara a divisão: uma França de aposentados e classe média-alta que votou em Emmanuel Macron, de 44 anos, e outra mais popular e que se sente excluída, que apoiou sua rival, de 53 anos.

A primeira vive nas grandes cidades e no oeste. A outra, que apostou por Le Pen, está no antigo reduto industrial do norte, no leste, nas margens do Mediterrâneo e em seus territórios na América Latina e no Caribe.

Segundo as pesquisas, Macron obteve seus melhores resultados entre as pessoas com mais de 60 anos e, sobretudo, os maiores de 70. O centrista seduz especialmente executivos, aposentados e eleitores com pelo menos três anos de ensino superior.

A extrema-direita atrai um eleitorado popular composto por trabalhadores e assalariados, especialmente sensível a uma campanha baseada na defesa do poder aquisitivo sem negar a radicalidade de seu programa de migração.

Territórios ultramarinos 

Marine Le Pen prevaleceu na maioria dos territórios ultramarinos: nos territórios americanos de Guadalupe (69,6%), Martinica (60,87%) e Guiana (60,70%), bem como em Reunião (59,57%) e Mayotte (59,10%), no Oceano Índico.

Exceto em Mayotte, onde Le Pen venceu, nos demais territórios o esquerdista Jean-Luc Mélenchon foi o mais votado no primeiro turno. O resultado da votação reflete assim um voto de protesto com uma crise social como pano de fundo.

"Se Le Pen é a maioria nesses territórios (...) é por causa de um voto por descarte, não por um voto de adesão ao seu programa", disse Martial Foucault, especialista da Sciences Po em territórios ultramarinos.

Por sua vez, o presidente centrista prevaleceu nos territórios do Pacífico Sul: Nova Caledônia (61,04%), Polinésia Francesa (51,80%) e Wallis e Futuna (67,44%), segundo os resultados do Ministério do Interior.

Desencanto entre os jovens 

Um total de 28% dos quase 49 milhões de franceses convocados às urnas optaram pela abstenção, 2,5 pontos a mais que em 2017, quando Macron e Le Pen também se enfrentaram, e um recorde desde a eleição presidencial de 1969 (31%).

Outros três milhões de eleitores votaram em branco ou nulo.

Se somados os abstencionistas, "mais de um terço do eleitorado decidiu não votar", resumiu Mathieu Gallard, da Ipsos, na rádio France Info.

Por idade, 41% dos eleitores entre 18 e 24 anos se abstiveram, assim como 38% daqueles entre 25 e 34 anos, de acordo com uma pesquisa da Ipsos.

Esse percentual cai para 20% entre aqueles com entre 60 e 69 anos e 15% entre aqueles com mais de 70 anos.

A desilusão com o primeiro turno levou os estudantes a ocupar temporariamente a Universidade Sorbonne. Muitos denunciaram o balanço social e ecológico dos cinco anos de Macron, mas também temiam que a extrema-direita chegasse ao poder.


"Estou feliz que a extrema-direita não tenha chegado ao poder, mas não acho que Emmanuel Macron realmente represente a grande maioria dos franceses", disse à AFP Baptiste Dengremont, estudante de 20 anos de Lille (norte).

Tabuleiro político em recomposição

A primeira lição veio na noite do primeiro turno. Os partidos tradicionais - Socialistas e Os Republicanos (direita) -, já em baixa em 2017, afundaram de vez, diante de um tabuleiro ocupado por Macron (centro), Le Pen (extrema-direita) e Mélenchon (esquerda radical).

Os dois últimos buscam agora construir blocos em seus respectivos espaços políticos para arrancar a maioria parlamentar do centrista nas eleições legislativas de 12 e 19 de junho e forçá-lo a governar em conjunto.

Segundo pesquisas, mais da metade dos franceses deseja que Macron perca sua maioria.

A última "coabitação" remonta ao período de 1997 a 2002, quando o conservador Jacques Chirac nomeou o socialista Lionel Jospin como primeiro-ministro.

Um "método renovado" de governo 

Consciente da situação política e social, Emmanuel Macron prometeu governar "para todos os franceses", responder à "raiva" dos que votaram em Le Pen e adotar um "método renovado" de governo.

Visto como "presidente dos ricos" e "arrogante", seu primeiro mandato foi marcado por protestos contra sua política em relação às classes populares, como a dos "coletes amarelos", e contra suas reformas, como sua promessa de adiar a idade de aposentadoria de 62 para 65 anos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Espanha 2022 de F1
Antiproibicionismo: Marcha da Maconha por uma nova política de drogas
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Grupo Diario de Pernambuco