Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

AQUECIMENTO GLOBAL

Temperatura nos oceanos bate recorde de calor pelo sexto ano consecutivo

Publicado em: 12/01/2022 07:28

 (Foto: Google Maps/Divulgação)
Foto: Google Maps/Divulgação
Os oceanos do mundo estão mais quentes do que nunca, batendo o recorde de temperatura pelo sexto ano consecutivo. A descoberta, baseada nos dados mais recentes até 2021, é de autoria de 23 pesquisadores de 14 institutos e foi publicada na revista Advances in Atmospheric Sciences. O estudo resume dois conjuntos de informações internacionais: do Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Academia Chinesa de Ciências (CAS) e dos Centros Nacionais de Informações Ambientais da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), que analisam observações do calor do oceano e seu impacto datam da década de 1950.

"O calor oceânico está aumentando implacavelmente, globalmente, e esse é um indicador primário da mudança climática induzida pelo homem", disse o autor do artigo, Kevin Trenberth, do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica no Colorado. No ano passado, os pesquisadores descobriram que os 2 mil metros mais altos em todos os oceanos absorveram 14 zettajoules a mais do que em 2020, o equivalente a 145 vezes a geração mundial de eletricidade em 2020. Para contextualizar, toda a energia que os humanos usam no mundo em um único ano é cerca de metade de um zettajoule.

"Além de absorver calor, atualmente, o oceano absorve de 20% a 30% das emissões humanas de dióxido de carbono, levando à acidificação. No entanto, o aquecimento oceânico reduz a eficiência da absorção de carbono oceânico e deixa mais CO2 no ar", disse Lijing Cheng, principal autor do artigo e professor-associado do Centro Internacional de Ciências Climáticas e Ambientais do IAP CAS. "Monitorar e entender o acoplamento de calor e carbono no futuro é importante para rastrear as metas de mitigação das mudanças climáticas."

"Os oceanos estão absorvendo a maior parte do aquecimento das emissões humanas de carbono", disse o coautor do artigo Michael Mann, professor de ciências atmosféricas da Universidade Estadual da Pensilvânia. "Até chegarmos a zero emissões líquidas, esse aquecimento continuará e seguiremos quebrando recordes. Uma melhor conscientização e compreensão dos oceanos é a base para as ações de combate às mudanças climáticas."
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco