Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Mundo ultrapassa 300 milhões de casos de Covid-19 e luta contra a ômicron

Por: AFP

Publicado em: 07/01/2022 19:34 | Atualizado em: 07/01/2022 19:43

 (Foto: Brandon Bell / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
)
Foto: Brandon Bell / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
O número oficial de casos de Covid-19, sem dúvida subestimado, ultrapassou a barreira dos 300 milhões nesta sexta-feira(7), momento em que todos os países lutam contra a disseminação da variante ômicron e aumentam as campanhas de vacinação.

De acordo com cálculos da AFP com base em balanços oficiais, pelo menos 300.042.439 casos de infecção foram diagnosticados desde que o escritório da OMS na China registrou o aparecimento da doença no final de dezembro de 2019. 

O mundo, onde os casos aumentaram desde meados de dezembro, duas semanas após a descoberta da variante ômicron em Botswana e na África do Sul, enfrenta atualmente uma quarta onda com recordes de contaminações.

O aumento da contaminação por enquanto não é acompanhado por um aumento global de mortes.

Nos Estados Unidos, a Suprema Corte analisou nesta sexta-feira as impugnações à tentativa do presidente Joe Biden de obrigar milhões de trabalhadores no país a serem vacinados contra a Covid-19 para impedir a propagação da pandemia.

“Esta é uma pandemia na qual quase um milhão de pessoas morreram”, lembrou a juíza Elena Kagan.

“É de longe o maior perigo para a saúde pública que este país enfrentou no último século. E esta é a política que mais visa impedir tudo isso”, acrescentou.

Scott Keller, um ex-procurador-geral do Texas que representa associações empresariais, disse que a regra que exige que os funcionários de empresas com mais de 100 pessoas sejam vacinados levaria muitos trabalhadores a pedir demissão.

“Isso causaria o deslocamento permanente de trabalhadores, o que afetaria nossa economia nacional”, disse Keller.

Depois de meses de apelos públicos a pessoas que estão hesitantes ou relutantes em tomar as injeções, Biden aumentou a pressão em setembro.

"Temos sido pacientes, mas nossa paciência está se esgotando", disse ele.

O presidente democrata tornou a vacinação obrigatória para empresas com 100 ou mais funcionários e para trabalhadores de saúde em instituições que recebem fundos federais.

- Grande festival hindu
Na Alemanha, diante da variante ômicron, o acesso a restaurantes e cafés voltará a ser restrito, mas os períodos de quarentena serão flexibilizados para evitar uma possível paralisação do país, anunciou o chanceler Olaf Scholz.

Ao mais tardar até 15 de janeiro, os clientes de restaurantes, cafés e bares deverão, além do certificado de vacinação ou cura, apresentar um teste negativo feito no dia. Aqueles que já receberam a terceira dose não precisarão fazer o teste.

Na Áustria, o chefe de governo, Karl Nehammer, testou positivo para Covid-19, apesar das três doses da vacina, mas não desenvolveu sintomas, anunciou o Ministério das Relações Exteriores.

Na França, o presidente Emmanuel Macron reafirmou "plenamente" suas polêmicas declarações de terça-feira sobre os não vacinados, a quem quer "irritar", em entrevista coletiva no Eliseu com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Na Índia, um tribunal rejeitou o pedido de cancelamento de um grande festival hindu, apesar do temor de que a multidão pudesse espalhar a epidemia, em um país marcado pelo aumento de casos devido à variante ômicron.

Centenas de milhares de pessoas se reunirão na confluência do Ganges e da Baía de Bengala a partir de sábado, durante o festival Gangasagar Mela, para se banhar por ocasião do Makar Sankranti, o dia sagrado do calendário hindu.

Um médico de Calcutá pediu uma ordem judicial para proibir o festival devido à situação sanitária.

O número de novos casos ultrapassou 100.000 nesta sexta-feira e as autoridades em várias grandes cidades impuseram restrições para retardar a propagação do vírus.

Na Austrália, o tenista sérvio Novak Djokovic passou a sexta-feira, dia de Natal ortodoxo, confinado em Melbourne.

O número um do mundo, que não foi vacinado, ficou retido após o cancelamento do seu visto na noite de quarta para quinta-feira, por não cumprir as rígidas condições de entrada em território australiano devido à pandemia.

Ele não será deportado antes de segunda-feira, após uma nova audiência com um juiz de Melbourne.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco