Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PRESIDENTE

Biden culpa Trump por ataque ao Capitólio: 'Colocaram uma adaga na garganta dos EUA'

Publicado em: 07/01/2022 07:19

 (Foto: Drew Angerer/AFP)
Foto: Drew Angerer/AFP
O local do discurso não poderia ser mais simbólico; o tom, solene e contundente. Exatamente um ano após simpatizantes do magnata republicano Donald Trump atacarem o Congresso, o presidente norte-americano, Joe Biden, atacou diretamente o antecessor, sem mencionar-lhe  o nome. "Aqueles que invadiram este Capitólio e aqueles que instigaram e incitaram, e aqueles que os convocaram a fazê-lo, colocaram uma adaga na garganta da América — na democracia", declarou ele, em pronunciamento a partir do Salão das Estátuas, sob a rotunda do Capitólio. "Aqui está a verdade: o ex-presidente dos EUA criou e disseminou uma teia de mentiras sobre as eleições de 2020. Ele fez isso porque valoriza o poder sobre os princípios. (...) O ex-presidente e seus simpatizantes tentam reescrever a história. Querem que vocês vejam o dia das eleições como o dia da insurreição", acrescentou Biden. 

O líder democrata avisou que defenderá os Estados Unidos. "Não permitirei que ninguém coloque um punhal contra a garganta de nossa democracia", prometeu. "Esta não é uma terra de reis ou ditadores ou autocratas. Nós somos uma nação de leis, de ordem, não de caos; de paz, não de violência." Biden convidou os norte-americanos a um exercício de memória. "Fechem os olhos.Voltem àquele dia. O que vocês veem? Vândalos em fúria, tremulando, pela primeira vez, dentro deste Capitólio, uma bandeira da Confederação que simbolizava a causa para destruir a América, para nos separar. Nem mesmo durante a Guerra Civil isso nunca aconteceu. Mas aconteceu aqui, em 2021", lamentou.

"Pela primeira vez em nossa história, um presidente não apenas perdeu a eleição; ele tentou impedir a transferência pacífica do poder quando uma multidão violenta invadiu o Capitólio", atacou Biden. "Não era um grupo de turistas. Era uma insurreição armada. Não queriam confirmar a vontade do povo, e sim negá-la", concluiu. O atual inquilino da Casa Branca destacou que os EUA vivem um "ponto de inflexão" na história. "Estamos novamente envolvidos em uma luta entre a democracia e a autocracia, entre as aspirações da maioria e a ganância de alguns poucos. Defenderei esta nação", reiterou. Biden enviou um recado aos opositores: "Você não pode amar este país apenas quando vence; você não pode obedecer à lei apenas quando lhe convém".

Resposta 
Trump não ficou em silêncio. Apesar de ter cancelado uma entrevista coletiva e evitado uma aparição pública, ele divulgou quatro comunicados à imprensa e denunciou um "teatro político". "Biden, que destrói nossa nação com políticas insanas de fronteiras, eleições corruptas, desastrosas políticas energéticas, mandatos inconstitucionais e devastadores fechamentos de escolas, usou meu nome, hoje (ontem), para tentar dividir ainda mais a América", afirmou o magnata republicano. De acordo com Trump, "esse treatro político é apenas uma distração para o fato de Biden ter fracassado total e completamente". Ele  acusou os democratas de pretenderem dominar o 6 de janeiro para que possam alimentar temores e dividir a América. "Deixe-os, pois a América vê através de suas mentiras e polarizações", disse Trump. 

Historiador político da American University (em Washington) e especialista que previu a derrota eleitoral de Trump, Allan Lichtman admitiu ao Correio que Biden apenas disse a verdade sobre o antecessor. Segundo ele, não teria havido uma insurreição contra o Capitólio se não fosse pela "mentira sem precedentes" sobre fraudes nas eleições, além do fato de Trump ter exortado os seguidores a "lutarem como inferno". "Trump jamais foi responsabilizado por nenhum de seus crimes como empresário ou presidente. Ele precisa ser chamado por colocar seu próprio ego sua cobiça de poder à frente do bem pelo país", comentou. 

Lichtman não descarta um retorno da extrema-direita ao poder. "A depender da situação do país, Trump ou outro republicano com ideias semelhantes poderia vencer em 2024, destruindo a nossa última defesa contra a autocracia nos Estados Unidos", alertou. 

FRASES
"Não permitirei que ninguém coloque um punhal contra a garganta de nossa democracia"

"Vivemos um ponto de inflexão na História. (...) Estamos novamente envolvidos em uma luta entre a democracia e a autocracia"

"Você não pode amar este país apenas quando vence. Você não pode obedecer à lei apenas quando lhe convém. Você não pode ser um patriota quando aceita e permite mentiras."

"O ex-presidente dos EUA criou e disseminou uma teia de mentiras sobre as eleições de 2020. Ele fez isso porque valoriza o poder sobre os princípios"

PALAVRA DE ESPECIALISTA
"A insurreição continua"

Allan Lichtman

"A democracia é preciosa e, como todas as coisas preciosas, pode ser destruída. Durante a 'era dourada' da democracia, depois da Primeira Guerra Mundial, o número de democracias disparou de um punhado para 25 nações. Em 1943, caiu para 11. Hoje, nos Estados Unidos, a democracia se esvai diante de nossos olhos. Somos, agora, uma democracia imperfeita, não mais 'completa'. 

A tentativa fracassada de derrubar uma eleição legítima não foi um evento singular. A insurreição ao Capitólio foi parte de um ataque prolongado e em andamento à democracia americana. Não pelos insurrecionistas do dia-a-dia, mas por Trump e por outras elites privilegiadas empenhadas em manter o poder a qualquer custo. 

A insurreição continua, com novas medidas de supressão de eleitores, esforços para reverter a decisão popular em estados republicanos e a agitação da grande mentira de que os EUA têm um presidente eleito de forma ilegítima."

Historiador político da American University (em Washington)

CURTAS
Emoção à mostra 

Durante o pronunciamento da vice, Kamala Harris, também sob a rotunda do Capitólio, Joe Biden deixou-se fotografar enxugando as lágrimas. "O espírito americano foi colocado à prova", disse Kamala. "Devemos nos unir em defesa da nossa democracia."

Na contramão 
Poucos republicanos, como o ex-candidato presidencial e senador Mitt Romney, ousaram condenar sem rodeios o ataque ao Capitólio. "Estamos nos colocando em perigo ao ignorar as lições de 6 de janeiro. A democracia é frágil, não pode sobreviver sem líderes íntegros e corajosos, que estejam mais preocupados com a força de nossa República do que em vencer as próximas eleições", escreveu Romney no Twitter.
TAGS: discurso | eua | captólio | ataque | trump | biden |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco