Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

POLITICA

Agressão a deputado por antivacinas revolta políticos na França

Por: AFP

Publicado em: 10/01/2022 10:42

 (Foto: JEAN-CHRISTOPHE LESPAGNOL / AFP
)
Foto: JEAN-CHRISTOPHE LESPAGNOL / AFP
A classe política condenou, nesta segunda-feira (10), a agressão contra um deputado da maioria governista em frente à sua casa no território francês de Saint- Pierre-et-Miquelon, em frente à costa canadense, cometida por manifestantes contrários ao passe sanitário.

No domingo (9), o deputado Stéphane Claireaux, do partido centrista República em Marcha (LREM, sigla em francês), do presidente Emmanuel Macron, foi atacado com algas e pedras em sua casa, um atentado que irá denunciar o que, em suas palavras, "pareceu um apedrejamento".

"Temos visto a intensificação da violência" contra políticos eleitos, lamentou o chefe de Estado francês, durante uma visita a Nice (sudeste) dedicada a questões de segurança, condenando o ataque "intolerável" e "inaceitável" a Claireaux.

Embora os rivais políticos de Macron, que ainda não confirmou sua candidatura à eleição presidencial de abril, tenham condenado o ataque, também denunciaram a tensão criada pelo presidente francês, na semana passada, com suas declarações polêmicas.

"Aos não vacinados, quero muito irritá-los. E é isso que continuaremos a fazer, até o fim", disse o chefe de Estado em entrevista ao jornal Le Parisien na terça-feira passada (4), no momento em que seu governo busca a implementação de um controverso passe de vacinação.

Em declaração na rádio RMC, o deputado do partido Os Republicanos (direita) Éric Ciotti pediu "sanções contra quem usa a violência de forma um tanto maluca, com argumentos delirantes", mas também criticou as "provocações" de Macron em busca de "conflito" por motivos eleitorais.

"O presidente da República agiu como incendiário em seu discurso na semana passada, porque atacou pessoas não vacinadas, em vez de tentar convencê-las", avaliou a candidata à Presidência pelo partido Os Republicanos, Valérie Pécresse, em conversa com o France Info.

O chefe do Partido Socialista, Olivier Faure, criticou que "alguns antivacinas usam as provocações do presidente para justificar sua violência". O ataque é "absolutamente inaceitável", tuitou seu colega ecologista Julien Bayou.

O ministro francês das Relações com o Parlamento, Marc Fesneau, voltou-se, na rede Public Sénat, contra as autoridades públicas que deixam os políticos eleitos à mercê da "vingança popular" e qualificou a "pressão física" de "totalitarismo".

O líder do LREM na Câmara, Christophe Castaner, condenou a "covardia [dos manifestantes] perante um único homem, pacífico, indefeso, que se levantou, que saiu, que quis falar". Ele lembrou que, em 2021, foram registradas 322 ameaças a deputados, a maior parte de sua legenda.

As declarações de Macron e o recorde de casos de covid-19 em meio à quinta onda marcada pela variante ômicron recolocaram a saúde na linha de frente da campanha eleitoral.

Para os observadores, com essa polêmica, o presidente de centro teve a intenção de impor o tema da covid-19 na campanha. Por enquanto, Macron lidera as pesquisas de intenção de voto, seguido dos candidatos de direita e de extrema direita.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Zuri: 11 anos, multiinstrumentista, compositor e prodígio da música faz campanha para comprar violão
Bolsonaro cancela visita à Guiana devido à morte de sua mãe
Grupo Diario de Pernambuco