Diario de Pernambuco
Busca

CRIME

Venezuela registra média de 8,5 assassinatos por dia em 2021, diz ONG

Por: AFP

Publicado em: 28/12/2021 20:30

 (Foto: Yuri CORTEZ / AFP
)
Foto: Yuri CORTEZ / AFP
A Venezuela registrou 3.112 homicídios em 2021, uma média diária de 8,5, o que representa uma redução de 25% em relação ao ano anterior, segundo o relatório apresentado nesta terça-feira (28) pelo Observatório Venezuelano da Violência (OVV), que serve como referência diante da falta de estatísticas oficiais.

O OVV indicou que foram reportadas, este ano, 11.081 mortes violentas, uma categorização que inclui os homicídios, as mortes por resistência à autoridade e causas que ainda estão sendo investigadas.

Assim, o número representa um índice de 40,9 mortes violentas por cada 100.000 habitantes, uma queda de 10% em relação a 2020. Já no caso dos homicídios, o número é de 11,5 por cada 100.000 habitantes, segundo a ONG.

Roberto Briceño-León, sociólogo e presidente do OVV, assinalou que Venezuela e Honduras são os países "mais violentos da América Latina".

Segundo o especialista, a redução dos números este ano responde, em princípio, à paralisação causada pela pandemia de covid-19, mas também ao aprofundamento da crise econômica, com oito anos de recessão e quatro de hiperinflação, o que leva a uma "redução das oportunidades de crime".

Além disso, com uma população que se aproxima de 30 milhões de pessoas, o êxodo de 2,5 milhões de jovens com entre 15 e 29 anos, que constituem a faixa etária situada no "núcleo da violência", tanto em termos de vítimas como de agressores, influiu na diminuição das estatísticas.

Em relação às mortes cometidas por policiais em 2021, que se classificam como "resistência à autoridade", o OVV registrou 2.332, outro índice que apresentou queda em relação 2020.

Já as chamadas "mortes em averiguação", cujas causas não foram elucidadas, fecharam em 4.003, enquanto os suicídios ficaram em 1.164. Por fim, a ONG também começou a registrar as pessoas "desaparecidas" este ano, estimadas em 1.634.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.