Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CONFLITO

Presidente da Somália anuncia suspensão do primeiro-ministro

Por: AFP

Publicado em: 27/12/2021 14:00

 (Fotos: Yasuyoshi CHIBA, Abdirahman Yusuf / AFP)
Fotos: Yasuyoshi CHIBA, Abdirahman Yusuf / AFP
O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, anunciou nesta segunda-feira (27) que suspendeu o primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble, um dia depois de um conflito entre os dois sobre as aguardadas eleições no conturbado país africano.

"O presidente decidiu suspender o primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble e retirar seus poderes porque ele está vinculado a [casos de] corrupção", afirmou, em nota, o gabinete da presidência, que acusa o chefe de Governo de interferir na investigação de um caso de apropriação de terras.

Mohamed Hussein Roble respondeu imediatamente, acusando o presidente de buscar um "golpe contra o governo, a Constituição e as leis do país". 

"Como o presidente aparentemente decidiu destruir as instituições governamentais [...] ordeno que todas as forças nacionais da Somália trabalhem sob a liderança do gabinete do primeiro-ministro a partir de hoje", disse Roble durante uma entrevista coletiva de seu gabinete, onde conseguiu entrar apesar da forte presença militar na parte externa do edifício.

A relação entre o presidente, conhecido como Farmajo, e Roble é tensa, e o embate mais recente entre os dois provocou temores a respeito da estabilidade da Somália.

"O primeiro-ministro está decidido a não ser dissuadido por ninguém no cumprimento de seus deveres nacionais, com o objetivo de liderar o país rumo a eleições que abrirão o caminho para uma transferência pacífica de poder", afirma um comunicado divulgado pelo gabinete de Roble.

EUA: 'profundamente preocupado'
Presidente desde 2017, Farmajo viu seu mandato expirar em 8 de fevereiro, sem conseguir chegar a um entendimento com as lideranças regionais para a organização de eleições. 

A Somália não realiza eleições diretas há 50 anos e tem um sistema indireto complexo. A organização das eleições foi afetada nos últimos meses por várias circunstâncias.

Em abril, combatentes pró-governo e opositores trocaram tiros nas ruas de Mogadíscio, depois que Farmajo ampliou por dois anos seu período de governo, sem organizar eleições.

A crise constitucional foi aplacada quando Farmajo recuou na decisão e Roble negociou um calendário eleitoral.

Mas, nos meses seguintes, a rivalidade entre os dois políticos afetou novamente a votação.

Farmajo e Roble concordaram em fazer as pazes em outubro e defenderam a aceleração do processo eleitoral.

No domingo, o governo dos Estados Unidos afirmou que estava "profundamente preocupado com os contínuos adiamentos e irregularidades de procedimentos que minaram a credibilidade do processo eleitoral" no país africano.

Analistas afirmam que a disputa política impede a Somália de manter o foco em seus problemas mais importantes, como a insurgência do grupo terrorista Al Shabab.

O movimento, aliado da Al-Qaeda, foi expulso de Mogadíscio há 10 anos, mas ainda controla as zonas rurais e executa ataques mortais.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Augusto Coutinho (Solidariedade) e o psicólogo Carol Costa Júnior
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Grupo Diario de Pernambuco