Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CRISE MIGRATÓRIA

UE obtém progresso na crise migratória com Belarus, mas tensão continua

Por: AFP

Publicado em: 12/11/2021 14:37

 (crédito: AFP)
crédito: AFP
A União Europeia (UE) afirmou nesta sexta-feira (12) que foram registrados "progressos" para frear o fluxo de migrantes na fronteira entre Belarus e Polônia, depois que a Turquia proibiu que cidadãos de Síria, Iraque e Iêmen embarquem em voos com destino a Minsk, mas a tensão se mantém viva.

Sob a crescente pressão dos países ocidentais, que acusam Belarus de orquestrar a crise, a ex-república soviética realizou exercícios militares conjuntos com a Rússia e advertiu que retaliaria "severamente" qualquer ataque.

A crise migratória na Europa Oriental preocupa a toda a comunidade internacional. A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, que está de visita em Paris, denunciou nesta sexta-feira o que classificou de "ações muito preocupantes" do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko.

A UE acusa Belarus de organizar os deslocamentos de migrantes, entregando vistos e até fretando voos, para tentar criar uma crise migratória na Europa, em resposta às sanções internacionais contra o governo de Lukashenko.

As autoridades europeias tentam há vários dias conter o fluxo de chegadas de Belarus e mantêm contatos com governos de países do Oriente Médio para tentar convencê-los a impedir o embarque dessas pessoas em voos com destino a Minsk.

A Turquia, um importante centro de tráfego aéreo entre Oriente Médio e Europa, proibiu nesta sexta-feira que cidadãos de Síria, Iraque e Iêmen embarquem em voos dentro de seu território com destino a Belarus, "até segunda ordem".

Pouco depois, o Iraque informou que vai repatriar os migrantes de seu país que estão bloqueados na fronteira entre Belarus e Polônia, "caso eles desejem".

"Estamos vendo progressos em todas as frentes", afirmou o vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

Esta restrição demonstra que as iniciativas europeias "já estão registrando certo êxito", afirmou o governo da Alemanha.

Paraquedistas russos 
 
Apesar da pressão exercida pelo ocidente, Lukashenko pode contar com o apoio de seu principal aliado, o presidente russo, Vladimir Putin.

Tropas aéreas russas e bielorrussas organizaram nesta sexta-feira (12) "exercícios de combate" perto da fronteira entre Belarus e Polônia, anunciaram os governos de Minsk e Moscou.

As manobras, assim como a mobilização de militares na fronteira por parte de Minsk e Varsóvia, provocam o temor de uma escalada no leste da Europa, cenário de uma luta de influências entre a Rússia e o Ocidente.

Além disso, Bruxelas e Washington expressaram nesta sexta-feira sua preocupação com os movimentos militares da Rússia mais ao sul, na fronteira com a Ucrânia.

A crise foi tema de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU ontem (11).

Ao final do encontro, vários países, incluindo Estados Unidos, França e Reino Unido, acusaram Belarus de tentar "desestabilizar os países vizinhos" e "desviar a atenção de suas próprias e crescentes violações dos direitos humanos".

No ano passado, UE e Estados Unidos adotaram uma série de sanções contra Belarus, após a brutal repressão de um movimento de protesto organizado depois da polêmica reeleição de Lukashenko, que está no poder desde 1994.

A UE anunciou que divulgará novas medidas contra Lukashenko na próxima semana.

Belarus ameaçou responder às possíveis sanções com a suspensão do funcionamento do gasoduto Yamal-Europa. Esta infraestrutura atravessa o país e fornece gás russo, combustível vital para os europeus em plena crise energética.

O Kremlin garantiu, porém, que as entregas de gás russo para a Europa não serão suspensas, apesar das ameaças de Lukashenko.

Migrantes bloqueados 
 
Na fronteira entre Belarus e Polônia, milhares de migrantes estão bloqueados entre as autoridades bielorrussas, que os obrigam a avançar, às vezes com tiros para o alto, segundo Varsóvia, e os guardas poloneses, que impedem o seu avanço.

Há quase 2.000 pessoas, incluindo mulheres e crianças, em sua maioria curdas, em um acampamento improvisado no lado bielorrusso da fronteira. Todos esperam a possibilidade de entrar na Polônia e, portanto, na UE.

Nesta sexta-feira, o diretor para a Europa da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, afirmou que está "muito preocupado" com as milhares de pessoas vulneráveis bloqueadas "na terra de ninguém [...] à mercê do clima, à medida que se aproxima o inverno".

De acordo com o jornal polonês Gazeta Wyborcza, dez migrantes morreram na região desde o início da atual crise.

O porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) anunciou na quinta-feira a entrega de ajuda humanitária de emergência, incluindo cobertores, roupas de inverno e fraldas para as crianças.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, acusou o regime de Lukashenko de adotar um "terrorismo de Estado" e afirmou que seu país é palco de um "novo tipo de guerra", que usa os civis como "munição".

Para enfrentar o fluxo de pessoas na fronteira, a Polônia, país-membro da UE e do espaço de livre-circulação Schengen, enviou 15.000 militares para a área, ergueu uma cerca de arame farpado e aprovou a construção de um muro.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Pessoas que já tiveram covid podem adoecer novamente devido à ômicron
Reino Unido aprova mais um medicamento contra Covid-19
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), presidente da Alepe
Grupo Diario de Pernambuco