Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

COMÉRCIO

ONU alerta para aumento de preços em 2022 por custos do frete marítimo

Por: AFP

Publicado em: 18/11/2021 10:10

 (Foto: Apu GOMES / AFP)
Foto: Apu GOMES / AFP
As Nações Unidas alertaram nesta quinta-feira (18) que o aumento das taxas de transporte marítimo implicariam uma inflação dos preços para os consumidores no próximo ano, a menos que os problemas nas cadeias de suprimentos causados pela pandemia de coronavírus sejam resolvidos. 

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla em inglês) informou que os preços de importação podem aumentar 11%, no plano internacional, e os preços ao consumidor, 1,5%, até 2023. 

"Os preços ao consumidor crescerão significativamente no próximo ano até que as interrupções nas cadeias de abastecimento de mercadorias sejam desbloqueadas, e os congestionamentos nos portos e terminais sejam resolvidos", afirmou a UNCTAD em um relatório sobre o transporte marítimo de 2021.

As cadeias de suprimentos globais enfrentaram uma demanda sem precedentes desde a segunda metade de 2020, pois os consumidores passaram a gastar em bens em vez de serviços durante os confinamentos causados pela pandemia da Covid-19.

Isso causou saturação da capacidade de carga dos navios, falta de contêineres e de mão de obra e congestionamento nos portos.

Ao mesmo tempo, essa saturação levou a um recorde nos preços de frete "em praticamente todas as rotas de comércio de contêineres", aponta o relatório. 

"Este 'boom' nas taxas de frete terá um profundo impacto no comércio e prejudicará a recuperação socioeconômica, especialmente nos países em desenvolvimento", alertou a secretária-geral da agência, Rebeca Grynspan. 

A previsão é que os preços repassados ao consumidor subam 7,5% nos Estados insulares em desenvolvimento, e 2,2%, nos países menos desenvolvidos, acima do 1,5% esperado globalmente.

A UNCTAD observa que a pandemia ampliou os problemas anteriores da indústria, como falta de mão de obra, ou lacunas nas infraestruturas, e também expôs suas vulnerabilidades. 

Mesmo assim, o impacto da pandemia no comércio marítimo foi inferior ao inicialmente previsto. Em 2020, registrou uma contração de 3,8%, mas deve crescer 4,3% em 2021.

A agência prevê um avanço médio anual de 2,4% entre 2022 e 2026, mas alerta para um "aumento do risco e das incertezas".

No documento, pede-se, ainda, para se acelerar a vacinação entre o total de 1,9 milhão de tripulantes marítimos. Hoje, apenas 41% deles estão totalmente imunizados.

A pandemia também pode trazer uma transformação duradoura no setor, com o desenvolvimento do comércio digital. De acordo com o relatório, este avanço "pode gerar novas oportunidades de negócios".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT/PE), Almir Mattias e Renata Berenguer
Laboratório anuncia teste para diferenciar o coronavírus da gripe A e B
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Márcia Horowitz e Andreia Rodrigues
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Grupo Diario de Pernambuco