Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

JUSTIÇA

Governo do Líbano em crise por investigação da explosão no porto de Beirute

Por: AFP

Publicado em: 13/10/2021 13:31

 (Foto: AFP)
Foto: AFP
O governo libanês precisou adiar uma reunião programada nesta quarta-feira (13) pelas fortes tensões geradas pela investigação da explosão no porto de Beirute, com o Hezbollah e seus aliados exigindo que o juiz encarregado do caso seja substituído por outro.

Na terça-feira, o juiz Tareq Bitar, vítima de uma campanha de difamação, foi obrigado a suspender sua investigação pela segunda vez. Pouco antes, emitiu uma ordem de prisão contra o ex-ministro das Finanças e deputado Ali Hassan Khalil, alto responsável do movimento Amal, um partido xiita aliado do Hezbollah.

O magistrado é alvo de uma campanha promovida por vários partidos, como o Hezbollah, que na segunda-feira o acusou de politizar a investigação, solicitando que seja substituído.

A explosão, que ocorreu em 4 de agosto de 2020 por causa do armazenamento, sem as medidas de segurança pertinentes, de enormes quantidades de nitrato de amônio, provocou mais de 200 mortes e 6.500 feridos e destruiu bairros inteiros de Beirute.

As autoridades rejeitaram a realização de alguma investigação internacional e as famílias das vítimas e as ONGs as acusam de prejudicar a investigação local.

Além disso, os responsáveis políticos, de todas as tendências, se recusam a serem interrogados pelo juiz.

Este assunto quase impediu uma reunião de governo celebrada na terça-feira à tarde, explicou à AFP um responsável que pediu anonimato. 

Os ministros do Hezbollah "pediram que o juiz seja substituído, mas o governo não está habilitado para fazer isso e esse tema corresponde ao alto conselho de justiça", explicou a fonte.

Além disso, o Conselho de Ministros que estava previsto para terça-feira foi adiado, por não ter chegado a um acordo sobre essa questão do magistrado.

Ao mesmo tempo, simpatizantes do Hezbolla e de Amal convocaram uma manifestação para quinta-feira (14) em frente ao Palácio da Justiça, onde os familiares das vítimas da explosão costumam se reunir, exigindo que a investigação seja finalizada.

O governo do Líbano, dirigido pelo primeiro-ministro Najib Mikati, foi formado em 10 de setembro, após mais de um ano de vazio político, depois que o Executivo de Hasan Diab renunciou por causa da explosão.
TAGS: crise | governo | justiça | líbano |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morreu James Michael Tyler, o Gunther de Friends
Manhã na Clube: entrevistas com Alberes Lopes, Antônio César Cruz e Almir Reis
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Grupo Diario de Pernambuco