Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

REINO UNIDO

Soldados britânicos se preparam para substituir caminhoneiros na crise de combustível

Por: AFP

Publicado em: 29/09/2021 15:54

 (Foto: Tolga Akmen/AFP

)
Foto: Tolga Akmen/AFP
O governo britânico mobilizou, nesta quarta-feira (29), sua frota de caminhões-tanque dirigidos por civis e preparou o Exército para suprir a escassez de caminhoneiros no país, distribuindo combustível para postos de gasolina, que começam a ver um retorno à normalidade.

Na terça-feira, o governo e responsáveis do setor afirmaram ver os primeiros sinais de "estabilização" nesta crise que abala o país há seis dias.

Mas as bombas de gasolina estão com dificuldades para enfrentarem o grande fluxo desencadeado desde que, na semana passada, alguns concessionários informaram problemas de abastecimento devido à falta de até 100.000 caminhoneiros para transportar o combustível a partir dos pontos de armazenamento.

Para ajudar o setor, o governo aprovou formalmente o fornecimento de 150 motoristas do Exército, que começaram a treinar para serem enviados nos próximos dias.

"Decidimos fazer isso e acredito que nos próximos dias as pessoas verão os soldados conduzindo a frota de caminhões-tanque", afirmou nesta quarta-feira à imprensa o ministro de Empresa, Kwasi Kwarteng. 

Outros 150 soldados se mantêm à espera, caso sejam necessários. 

Antes disso, porém, o governo mobilizou nesta quarta-feira sua própria frota de caminhões-tanque, dirigida por civis. "Estará na estrada nesta tarde para melhorar a distribuição de combustível nos postos de gasolina de todo o Reino Unido", tuitou o ministro.

"Agora vemos sinais de que a situação nas bombas está começando a melhorar", confirmaram Shell, BP e outras 12 empresas e federações do setor em um comunicado conjunto.

Recebendo com satisfação o envio dos caminhões-tanque do governo, elas afirmaram estarem "seguras de que a situação se estabilizará nos próximos dias".  

A associação dos varejistas de gasolina, que representa 65% dos postos de gasolina do Reino Unido, também viu "sinais promissores de que a crise nas bombas está diminuindo", já que nesta quarta-feira apenas 27% de seus membros tinham problemas de abastecimento, em comparação com dois terços no domingo.

As longas filas nas postos, marcadas por discussões entre motoristas irritados, são a mais recente consequência de uma grande escassez de mão de obra provocada pela pandemia e pelo Brexit, com problemas de abastecimento que também afetam os supermercados e as redes de fast-food. 

Diante das imagens impactantes de postos de gasolina abarrotados, o Executivo de Boris Johnson não deixa de repetir que o Reino Unido não está ficando sem combustível, mas que a escassez se deve a uma demanda excepcional provocada pelas compras de consumidores movidos pelo pânico, como aconteceu com o papel higiênico e alguns produtos alimentares no início da pandemia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Manhã na Clube: entrevistas com Sileno Guedes e com a nutricionista Joyce Alencastro
CPI da Pandemia chega ao final com homenagens às vítimas da Covid
Grupo Diario de Pernambuco