Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CRIME

Promotores pedem dois anos de prisão para ex-colaborador de Ghosn na Nissan

Por: AFP

Publicado em: 29/09/2021 18:39

 (Foto: Behrouz MEHRI / AFP
)
Foto: Behrouz MEHRI / AFP
O Ministério Público solicitou, nesta quarta-feira (29), dois anos de prisão para Greg Kelly, americano que era colaborador de Carlos Ghosn, julgado há quase um ano em Tóquio por supostas fraudes financeiras na montadora japonesa Nissan.

Detido em novembro de 2018 ao lado do então CEO da aliança automobilística Renault-Nissan-Mitsubishi Motors pouco depois de pousar em Tóquio, Kelly, um jurista de 65 anos, tinha apenas um papel secundário no caso.

Mas ele ficou na linha de frente da justiça japonesa desde a fuga cinematográfica no fim de 2019 para o Líbano do principal acusado, Carlos Ghosn, que se escondeu em uma caixa de equipamento de áudio para escapar dos controles aeroportuários no Japão. 

De acordo com a lei japonesa, Kelly enfrenta a possibilidade de ser condenado a 10 anos de prisão por ter ajudado Ghosn - segundo os procuradores japoneses - a esconder entre 2010 e 2018 das autoridades que regulamentam a Bolsa japonesa quase nove bilhões de ienes (82 milhões de dólares na cotação atual), remuneração que a Nissan previa pagar posteriormente ao executivo.

Kelly "estava por trás dos esforços para ocultar a renda de Ghosn", disseram os promotores do caso nesta quarta-feira. "Apenas Kelly, em quem Ghosn tinha absoluta confiança, poderia desempenhar esse papel", acrescentaram.

Os argumentos dos promotores são "muito fracos", reagiu à AFP Yoichi Kitamura, advogado de Kelly, que continua "bastante confiante" quanto à absolvição de seu cliente.

"Disseram que Kelly era o braço direito de Ghosn, mas ele era leal à Nissan e não a Ghosn em particular", de acordo com Kitamura.

As alegações finais da defesa estão previstas para 27 de outubro. A sentença está prevista para março de 2022, ou seja, 18 meses após o início do julgamento, segundo informou à AFP uma fonte próxima ao caso.

Assim como Ghosn, Kelly sempre se declarou desde o início do processo, mas admitiu que se examinava a nível interno como aumentar legalmente as remunerações de Ghosn.

Ele mora em Tóquio, em liberdade sob fiança, desde o fim de 2018, com a proibição de abandonar o território japonês durante o processo penal em curso.

Ghosn, por sua vez, não pode ser julgado à revelia no Japão, enquanto outros executivos da Nissan, antigos ou ativos, não foram processados, alguns deles devido à sua condição de delatores.

A empresa Nissan, indiciada como pessoa jurídica, se declara culpada. Os promotores pediram apenas uma multa de 200 milhões de ienes (1,5 milhão de euros, 1,74 milhão de dólares).
TAGS: nissan | ghosn | prisão | crime |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
Grupo Diario de Pernambuco