Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

TERRORISMO

Principal acusado dos atentados de Paris afirma que "não foi nada pessoal"

Por: AFP

Publicado em: 15/09/2021 13:47

 (Foto: Georgina Coupe/Fotos Públicas)
Foto: Georgina Coupe/Fotos Públicas
"Atacamos a França, a população, civis, mas não foi nada pessoal", declarou nesta quarta-feira (15) Salah Abdeslam, o único integrante com vida dos comandos extremistas que mataram 130 pessoas em 13 de novembro de 2015 na França.

No início de uma nova audiência no tribunal de Paris que o julga ao lado de outros 19 acusados, Abdeslam - que disse "não querer meter o dedo na ferida" - afirmou que os atentados eram uma resposta a "bombardeios franceses contra o Estado Islâmico" (EI) na Síria.

O presidente do tribunal permitiu nesta quarta-feira que os 14 réus presentes fizessem uma primeira e "breve" declaração sobre os fatos de que são acusados. Durante seus discursos, o silêncio tomou conta da sala.

Salah Abdeslam, o principal acusado, foi o último a falar. "Bom dia a todos, por onde começar?", disse o franco-marroquino com uma voz tranquila, que contrastou com suas interrupções durante os primeiros dias de audiência.

Com a máscara ao nível de sua barba, ele falou durante quase cinco minutos e disse que os "terroristas, jihadistas, radicalizados" citados durante as audiências eram na verdade "muçulmanos". "Trata-se do Islã autêntico", completou.

O ex-presidente "François Hollande disse que lutamos contra a França por seus valores, mas é mentira", afirmou Abdeslam, que citou os "aviões franceses que bombardearam o Estado Islâmico, homens, mulheres e crianças". 

"Hollande sabia dos riscos que corria ao atacar o Estado Islâmico na Síria", completou o acusado, que completa 32 anos nesta quarta-feira. "O mínimo é dizer a verdade, costumam falar que sou um provocador, mas não é verdade. Quero ser sincero".

No tribunal, alguns parentes de vítimas e sobreviventes dos atentados começaram a chorar, outros se abraçaram, durante o discurso de Abdeslam.

O julgamento, que começou na semana passada e deve prosseguir até o fim de maio, não prevê o interrogatório dos acusados antes de janeiro de 2022. Depois dos investigadores esta semana, na próxima será a oportunidade de falar dos sobreviventes.
TAGS: jihad | terrorismo | frança |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco