Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

MODA

ONG acusa C&A e Hugo Boss de se beneficiarem do trabalho forçado de uigures

Por: AFP

Publicado em: 06/09/2021 18:08

 (Foto: Reprodução/Twitter @hugoboss)
Foto: Reprodução/Twitter @hugoboss
Uma ONG alemã anunciou nesta segunda-feira (6) que entrou com uma ação judicial na Alemanha contra várias empresas, como C&A e Hugo Boss, por supostamente "se beneficiarem" do trabalho forçado de membros da minoria muçulmana uigur na China, uma acusação negada pelas companhias.

O Centro Europeu para Direitos Constitucionais e Direitos Humanos (ECCHR), uma organização não governamental com sede em Berlim, afirmou ter "apresentado uma denúncia contra várias empresas alemãs" por "suposta cumplicidade em crimes contra a humanidade".

Entre elas estão Hugo Boss, C&A, Lidl, Aldi Norte e Aldi Sur. A organização as acusa de "se beneficiarem e serem cúmplices, direta ou indiretamente, do trabalho forçado da minoria uigur em Xinjiang".

Vários países ocidentais acusam a China de prender em massa membros dessa comunidade, em sua maioria muçulmana e de língua turca, em campos de trabalho localizados no oeste do país. Pequim nega o termo "genocídio" e afirma que se tratam de centros de formação profissional.

Muitas fábricas têxteis operam nesta região e, segundo ativistas, são fornecedoras de multinacionais.

A ONG reconhece que é difícil obter provas tangíveis de trabalho forçado entre os fornecedores dessas empresas, mas questiona "se o fato de manter relações comerciais não é uma forma de ajudar e promover esses crimes", disse à AFP a advogada Miriam Saage-Maass, diretora do ECCHR.

Segundo ela, “esses cinco casos são apenas um exemplo de um problema muito mais vasto e sistêmico”.

Em declarações à AFP, a varejista de moda C&A afirmou "não tolerar trabalho forçado (...) em sua cadeia de abastecimento", enquanto a rede de supermercados Aldi garantiu ter "estabelecido normas vinculantes para todos os seus parceiros comerciais" para evitar esses problemas.

A grife Hugo Boss lembrou que “pediu há meses a seus fornecedores que se informem e confirmem que a produção de bens na cadeia de abastecimento é realizada de acordo com (...) os direitos humanos”.

Por sua vez, a rede de supermercados Lidl disse à AFP que a denúncia da ONG se baseia em "listas antigas de fornecedores".

Na França, a associação anticorrupção Sherpa apresentou uma acusação semelhante em abril contra quatro multinacionais de vestuário, incluindo Uniqlo e Zara.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à gordofobia vira lei no Recife
Medicamento contra Covid-19 é recomendado pela OMS
Manhã na Clube: José Queiroz (PDT), Kleiton Boschi, Clarissa de França e Cristina Pires
Skate feminino decola no Brasil após Olimpíadas
Grupo Diario de Pernambuco