Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

OMS: metade dos países africanos vacinou apenas até 2% da população contra Covid

Por: AFP

Publicado em: 30/09/2021 18:29 | Atualizado em: 30/09/2021 18:33

 (Foto: Sajjad HUSSAIN / AFP
)
Foto: Sajjad HUSSAIN / AFP
Quinze dos 54 países da África vacinaram totalmente 10% de sua população contra a Covid-19, enquanto metade dos países do continente vacinou apenas 2%, ou menos - anunciou o escritório regional Organização Mundial da Saúde (OMS) para a África, nesta quinta-feira (30).

A meta de 10% de vacinados até 30 de setembro foi estabelecida em maio pela Assembleia Mundial da Saúde, de acordo com a OMS.

"Quase 90% dos países de alta renda já alcançaram essa meta", comparou o órgão.

Na África, nove países, entre eles África do Sul, Marrocos e Tunísia, atingiram a meta no início de setembro, e outros seis aceleraram o ritmo para alcançá-la até o final do mês. Isso foi possível, graças ao aumento das entregas de vacinas, afirma o escritório da OMS na África.

Entre os mais vacinados no continente estão as ilhas Seychelles e Maurício - que imunizaram totalmente mais de 60% de sua população -, assim como Marrocos (48%), Tunísia, Comores e Cabo Verde, com mais de 20%. 

"Os dados mais recentes mostram avanços limitados e ainda há muito a fazer para atingir a nova meta da OMS de vacinar completamente 40% da população até o final deste ano", frisou o coordenador do Programa de Imunização e Desenvolvimento de Vacinas do escritório da OMS para a África, Richard Mihigo, em entrevista coletiva.

Metade dos países africanos vacinou apenas 2%, ou menos, de sua população, alertou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Grupo Diario de Pernambuco