Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

JUSTIÇA

Ex-secretária de campo de concentração foge e é encontrada antes do julgamento

Por: AFP

Publicado em: 30/09/2021 13:24 | Atualizado em: 30/09/2021 13:37

 (Foto: Markus Schreiber/Pool/AFP

)
Foto: Markus Schreiber/Pool/AFP
Uma ex-secretária de um campo de concentração nazista, de 96 anos de idade, que fugiu antes do início de seu julgamento nesta quinta-feira (30) na Alemanha, foi encontrada.

"A acusada foi encontrada (...) Um médico vai determinar se pode ser detida, e o tribunal decidirá depois se a ordem de detenção será executada, ou não", afirmou a porta-voz do tribunal de Itzehoe, Frederike Milhoffer.

A idosa será julgada por cumplicidade no assassinato de mais de 10.000 pessoas.  

Na manhã desta quinta-feira, 20 minutos após o horário previsto para o início do julgamento na cidade de Itzehoe, norte da Alemanha, o presidente do tribunal anunciou a fuga da acusada e emitiu uma ordem de detenção.

"Abandonou seu lar (para pessoas da terceira idade) esta manhã. Pegou um táxi", disse Milhoffer.

Irmgard Furchner, que no momento dos crimes atribuídos a ela tinha entre 18 e 19 anos, será a primeira mulher envolvida com o nazismo julgada em várias décadas no país.

O processo precederá o julgamento de um ex-guarda, de 100 anos, do campo de concentração nazista de Sachsenhausen, perto de Berlim, que começará na próxima semana.

A Alemanha, que por muito tempo hesitou em procurar seus criminosos de guerra, nunca havia julgado ex-nazistas tão idosos.

O julgamento de Furchner acontecerá às vésperas do 75º aniversário da condenação à morte por enforcamento em Nuremberg de 12 dos principais dirigentes do Terceiro Reich.

A acusação afirma que a nonagenária participou do assassinato de detentos no campo de concentração de Stutthof, na atual Polônia. Lá, trabalhou como datilógrafa e secretária do comandante do campo, Paul Werner Hoppe, entre junho de 1943 e abril de 1945.

Quase 65.000 pessoas morreram no campo, perto da cidade de Gdansk, incluindo "prisioneiros judeus, guerrilheiros poloneses e prisioneiros de guerra soviéticos", segundo a Promotoria.

Ordens de execução
O advogado Christoph Rückel, que representa há vários anos os sobreviventes da Shoah, afirma que "ela foi responsável por toda correspondência do comandante do campo".

"Também digitou as ordens de execução e de deportação e colocou suas iniciais", declarou o advogado à emissora regional pública NDR. 

Após um longo procedimento, a Justiça considerou em fevereiro que a idosa estava apta para comparecer a julgamento, apesar da idade avançada. As audiências deveriam durar apenas poucas horas a cada dia.

Passados 76 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, a Justiça alemã continua procurando ex-criminosos nazistas ainda vivos. 

Diferentes promotores alemães estão examinando, atualmente, oito casos que envolvem, em particular, ex-funcionários dos campos de Buchenwald e Ravensbrück, informou à AFP o Escritório Central para o Esclarecimento de Crimes do Nacional-Socialismo.

Morte de suspeitos
Nos últimos anos, vários processos foram abandonados pela morte dos suspeitos, ou por sua incapacidade física de comparecer aos tribunais.

Apesar de a Alemanha ter condenado na última década quatro ex-guardas ou funcionários dos campos nazistas de Sobibor, Auschwitz e Stutthof, o país julgou poucas mulheres envolvidas com o regime nazista, relatam historiadores. 

A Justiça examinou os casos de pelo menos três funcionárias de campos nazistas. Entre eles, estava o de outra secretária que trabalhava em Stutthof, mas ela faleceu no ano passado, antes da conclusão do processo.

No momento, o MP de Neuruppin, perto de Berlim, examina o caso de uma mulher que trabalhou no campo de Ravensbrück, segundo a sede central de Ludwigsburgo.

Quase 4.000 mulheres trabalharam como guardas nos campos de concentração, segundo os historiadores, mas poucas foram julgadas após a guerra.

Entre as que responderam por crimes cometidos durante o Terceiro Reich está a guarda do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau Maria Mandl, conhecida como "a fera". Ela foi enforcada em 1948, após sua condenação à morte por um tribunal da Cracóvia.

Entre 1946 e 1948, em Hamburgo, 38 pessoas, incluindo 21 mulheres, compareceram a audiências com juízes militares britânicos por terem trabalhado no campo de concentração de Ravensbrück, especialmente reservado a mulheres.

A jurisprudência estabelecida pela condenação em 2011 de John Demjanjuk, um guarda do campo de Sobibor em 1943, a cinco anos de prisão, permite agora processar por cumplicidade em dezenas de milhares de assassinatos qualquer auxiliar de campo de concentração, de um guarda até um contador.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Manhã na Clube: entrevistas com Sileno Guedes e com a nutricionista Joyce Alencastro
CPI da Pandemia chega ao final com homenagens às vítimas da Covid
Grupo Diario de Pernambuco