Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

TERRORISMO

Em julgamento, terrorista admite ser combatente do Estado Islâmico

Publicado em: 09/09/2021 07:08

 (Foto: Meguel Medina/AFP)
Foto: Meguel Medina/AFP
As palavras iniciais do franco-marroquino Salah Abdeslam — acusado de integrar o comando extremista que matou 130 pessoas em cinco pontos distintos de Paris — evocaram a chahada, a profissão de fé dos muçulmanos. “Em primeiro lugar, quero testemunhar que não há outro Deus, senão Alá, e que Maomé é seu servo e mensageiro”, declarou, diante do juiz e presidente do tribunal, Jean-Louis Périès, no Palácio da Justiça. “Veremos isso mais tarde”, respondeu o magistrado.

A seguir, Abdeslam, 31 anos, proferiu um atestado de culpa: “Desisti de exercer qualquer profissão para me tornar um combatente do Estado Islâmico (EI)”. “Agora, julguem-me, façam o que quiser de mim. (…) Não tenho medo de vocês. (...) Coloco minha confiança em Alá e isso é tudo, não tenho nada a acrescentar”, declarou o principal réu.

Abdeslam denunciou que as autoridades francesas o tratam como se fosse um cão. A previsão é de que o veredicto somente seja anunciado em maio de 2022. O processo conta com quase 1.800 partes civis e 20 réus, seis deles julgados à revelia. Durante 145 dias, serão inquiridos 330 advogados e 300 sobreviventes, de acordo com a emissora France 24. Em novembro, o ex-presidente Françoise Hollande será ouvido, na condição de testemunha. Além de Abdeslam, 13 réus tambèm começaram a ser julgados, ontem. Pelo menos 550 pessoas assistiram, ontem, à sessão na Corte, incluindo advogados e dezenas de partidos civis e de jornalistas.

Périès fez questão de destacar a importância do julgamento. “Os eventos sobre os quais decidiremos estão inscritos em sua intensidade histórica como entre os acontecimentos internacionais e nacionais deste século”, advertiu. Em um gesto nada habitual, o juiz defendeu a preservação da “dignidade da Justiça”. Na noite de 13 de novembro de 2015, três comandos terroristas atacaram a capital da França de forma simultânea. Às 21h20 (16h20 em Brasília), um homem-bomba detonou os explosivos presos ao corpo depois de ter a entrada barrada no Stade de France, onde as seleções da França e da Alemanha jogavam uma partida amistosa.

Um segundo suicida se explodiu às 21h30 em outra entrada do estádio. Três atiradores mataram 39 pessoas em dois bares e dois restaurantes da zona leste. Um terceiro comando terrorista invadiu a casa de espetáculos Bataclan, que estava lotada e sediava um show da banda norte-americana Death Metal Angels. Armados de fuzis, os extremistas executaram 90 franceses e turistas.

Uma das sobreviventes da matança no Bataclan, a jornalista e crítica musical Kelly Le Guen (leia Depoimento), 26 anos, contou ao Correio que o julgamento de Salah Abdeslam pode ser um momento difícil para muitas pessoas. “Infelizmente, o que ocorre no tribunal não mudará o que aconteceu comigo e com todos. Tenho interesse em conhecer os resultados do julgamento, mas não planejo acompanhar os desdobramentos diários”, comentou. Ela disse esperar que Abdeslam seja condenado à prisão perpétua. “Como não temos pena de morte na França, acredito que esta será a sentença, dada a magnitude do evento e como ele está midiatizado.”

Jean-Yves Camus, cientista político do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (Iris, em Paris), explicou à reportagem que a pena capital foi abolida, na França, em 1981. “Na melhor das hipóteses, a pena será prisão perpétua sem liberdade condicional por, no máximo, 30 anos. Não acho que isso seja o mais importante do julgamento”, comentou.

Respostas
Para o estudioso, as deliberações da Corte podem ajudar a sociedade a compreender os motivos pelos quais o Estado Islâmico selecionou os alvos do ataque, em sua maioria jovens de todas os estratos sociais, culturais e étnicos. “Ao acompanharmos o julgamento, tentaremos entender como o ataque foi planejado e preparado, e qual o grau de responsabilidade de cada um dos indiciados. Queremos saber se os serviços secretos fracassaram na detenção de sinais de baixo nível de que um atentado estava à vista, e se, na noite dos ataques, os esquadrões policiais que confrontaram os terroristas responderam de forma adequada. Acho que sim, mas há controvérsias”, afirmou Camus.

O especialista do Iris disse estar curioso para ver como Abdeslam se comportará ante o juiz. “Veremos se ele decidirá falar à Corte, para explicar sua ideologia. Acho que ele ainda está comprometido com o Estado Isâmico. Abdeslam é o tipo de sujeito que não tem possibilidade de retornar à vida normal, mesmo depois de ter cumprido sua pena”, observou Camus.

» Depoimento
“Sou uma sobrevivente e tive muita sorte”

» Kelly Le Guen

“Naquela noite, eu fui ao Bataclan para escrever uma reportagem sobre o show da banda norte-americana Eagles of Death Metal. Eu estava sentada na varanda do andar de cima quando os disparos começaram. Consegui rastejar até a saída de emergência. Vi um dos terroristas. A saída levava a uma escada. Infelizmente, não tive tempo de descer e fugir, pois os tiros estavam cada vez mais próximos. Então, eu e outras pessoas nos escondemos em um dos camarins. Ficamos ali até o fim.

Enquanto eu tentava escapar, vi pessoas serem baleadas. Quando tudo acabou, tivemos de caminhar pelo local para sair. Fomos escoltados pela polícia, mas ainda vi tudo o que tinha para ver, infelizmente. Não vou descrever muito, porque foi extremamente horrível.Vamos dizer que o termo ‘banho de sangue’ é muito preciso.

Não sofri danos físicos. Quanto ao resto, tive muita sorte e não desenvolvi transtorno de estresse pós-traumático. Fico feliz em dizer que o evento não me fez querer deixar meu trabalho ou parar de ir a concertos. Mas, quando estou nas casas de show, penso no atentado. Também me reuni com outros sobreviventes; alguns são meus amigos, hoje. Existe solidariedade entre nós.”

Jornalista especializada em crítica musical, 26 anos. Estava na casa de espetáculos Bataclan, na noite
de 13 de novembro de 2015.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco