Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ESTADOS UNIDOS

Diplomata dos EUA se demite e denuncia deportações "desumanas" de refugiados

Publicado em: 24/09/2021 07:04

 (Foto: Paul Ratje/AFP)
Foto: Paul Ratje/AFP
A carta de renúncia assinada por Daniel Foote, enviado especial dos EUA ao Haiti, e endereçada ao secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, deu a medida exata da proporção da crise migratória na fronteira com o México. “Eu não estarei associado à decisão desumana e contraproducente dos Estados Unidos de deportar milhares de refugiados haitianos e imigrantes ilegais para o Haiti”, escreveu o diplomata. “Nossa abordagem política para o Haiti permanece profundamente defeituosa, e minhas recomendações têm sido ignoradas e descartadas, quando não editadas para projetarem uma narrativa diferente de meu ponto de vista.” Além das deportações, agentes da Patrulha Fronteiriça dos EUA foram flagrados, em vídeos e fotos, montados a cavalos em perseguição aos haitianos na região de Del Río, no Texas.

Após estarrecerem a Casa Branca e o Congresso, as imagens forçaram o Departamento de Segurança Interna (DHS, pela sigla em inglês) a suspender o uso dos cavalos. O secretário de Segurança Nacional, Alejandro Mayorkas, “informou nesta manhã aos líderes dos direitos civis que não usaremos mais cavalos em Del Río”, declarou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki. “Nós interrompemos, temporariamente, o uso da patrulha a cavalos em Del Río. Vamos priorizar outros métodos para identificar indivíduos que possam estar em perigo de saúde”, admitiu um funcionário do DHS. Na mexicana Ciudad Acuña, cidade vizinha a Del Río, dezenas de policiais do México irromperam um acampamento de imigrantes, antes do amanhecer, e obrigou muitos a retornarem para Tapachula, a 2.452km, próximo à fronteira com a Guatemala. Eles rejeitaram abandonar o local.

Para Stephen Yale-Loehr — professor de práticas de leis de imigração da Universidade de Cornell —, a renúncia de Foote intensifica a pressão política para que Biden suavize a posição do governo em relação à deportação dos haitianos. “As inúmeras situações de migração, incluindo afegãos e pessoas tentando cruzar a fronteira entre EUA e México, torna mais difícil para o presidente Biden avançar em sua agenda legislativa sobre a imigração. Dadas as críticas direcionadas ao governo, com ou sem razão, é muito mais difícil persuadir o Congresso a legalizar vários milhões de imigrantes”, afirmou à reportagem.

Especialistas

Por sua vez, Steve Forester, coordenador de Política de Imigração do Instituto para Justiça e Democracia no Haiti (em Boston), explicou à reportagem que a decisão de Foote não está associada apenas às deportações de haitianos, mas à “política fracassada dos Estados Unidos para o Haiti”. “Há mais de uma década, os governos norte-americanos apoiaram líder corruptos e antidemocráticos às custas da sociedade civil”, lembrou. “Os haitianos amam seu país e querem permanecer no Haiti. A política da Casa Branca para o país caribenho tem sido de mão pesada. Espero que a renúncia de Foote obrigue o presidente Biden a apoiar a sociedade civil no Haiti, a qual, além de competente, está pronta para assumir suas funções.” Forester sublinha que a democracia é importante não apenas para os norte-americanos, mas também para o povo haitiano.

Doutor em estudos latino-americanos e professor de análise política da Universidade de Estado do Haiti, Elinet Daniel Casimir explicou ao Correio que o problema migratório envolvendo os haitianos remonta ao século passado. “Nessa trajetória, encontram-se muitos aspectos que têm relação com a vida social, política e econômica da sociedade do Haiti. Vivemos sob a lupa dos Estados Unidos. Os haitianos praticamente não têm vida. Os políticos e alguns grupos organizados têm a responsabilidade por essa situação tão delicada e complexa”, afirmou. “Como os EUA não pensam em ajudar o meu povo? Estamos diante do direito internacional sobre a migração, dos direitos humanos e de convenções internacionais. Nestes acordos, existe um fator muito importante: o capital humano. Todo mundo vê que o povo haitiano está farto de tudo. Algumas pessoas abandonaram o país rumo ao Chile, ao Equador, à Argentina e ao Brasil, e, sobretudo, aos Estados Unidos”, acrescentou.

Casimir lembra que os haitianos têm direito de solicitar asilo. “A deportação deles pode ser analisada desde um duplo aspecto em matéria de direitos humanos: a humilhação racial e o descobrimento perverso da face dos Estados Unidos”, disse o estudioso, morador de Porto Príncipe.

“Eu não estarei associado à decisão desumana e contraproducente dos Estados Unidos de deportar milhares de refugiados haitianos e imigrantes ilegais para o Haiti”

“Nossa abordagem política para o Haiti permanece profundamente defeituosa”
Daniel Foote, enviado especial do Departamento de Estado norte-americano para o Haiti
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Uso de máscara em locais abertos deixa de ser obrigatório no Rio
Manhã na Clube: entrevistas com o vereador Romero Jatobá (PSB), dr. Sérgio Paulo e Jaqueline Araújo
CPI aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro
Manhã na Clube: entrevistas com Raul Henry, Gustavo Frigieiri e Vânia Besse
Grupo Diario de Pernambuco