Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Cuba busca sinal verde da OMS que impulsione exportação de suas vacinas anticovid

Por: AFP

Publicado em: 15/09/2021 18:08

 (Foto: Joaquin Hernandez/AFP
)
Foto: Joaquin Hernandez/AFP
Cuba começará nesta quinta-feira intercâmbios com especialistas da OMS para o reconhecimento de suas vacinas anticovid Abdala e Soberana 02, um processo que "facilitará" a comercialização dos dois imunizantes em outros países, anunciou nesta quarta-feira (15) um encarregado do grupo estatal BioCubaFarma.

O diretor de Ciência e Inovação da BioCubaFarma, Rolando Pérez, explicou que os especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) vão examinar "a segurança, imunogenicidade e eficácia (das duas vacinas), demonstradas nos testes clínicos", realizados na ilha.

Citado pela página na internet do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana (CIGB), Pérez informou que este intercâmbio "não limita a comercialização dos imunizantes em outros países, o que é competência das agências reguladoras" nacionais, "mas facilitará a entrada ao mercado de outras nações, uma vez cobertas as necessidades da ilha".

Trata-se de "um primeiro encontro virtual" entre especialistas em Havana, Genebra e Washington, confirmou à AFP o representante em Cuba da OMS, José Moya.

Mesmo sem o reconhecimento da OMS, alguns países como Argentina, Irã, Venezuela e México têm mostrado interesse nas vacinas cubanas.

Sob embargo dos Estados Unidos desde 1962, Cuba começou a desenvolver suas próprias vacinas na década de 1980 e conta com três imunizantes próprios contra o coronavírus, as primeiras da América latina: Abdala, Soberana 02 e Soberana Plus.

Segundo cientistas cubanos, tanto a Abdala quanto a Soberana 02 têm uma eficácia superior a 90% contra o surgimento de sintomas da doença.

As vacinas cubanas se baseiam em uma proteína recombinante, a mesma técnica em que estão trabalhando a empresa americana Novavax e a francesa Sanofi.

Cuba, que enfrenta o momento mais crítico da pandemia, começou a vacinar em 3 de setembro sua população entre 2 e 18 anos com estas duas vacinas, uma campanha única no mundo, como parte de uma estratégia que pretende que 92,6% dos 11,2 milhões de cubanos tenha as três doses da imunização em novembro próximo.

Em maio, quando começou a campanha de vacinação em adultos, o governo se propôs a fornecer o antiviral 70% da população até agosto e completar 100% em dezembro, mas atualmente apenas 4,3 milhões de cubanos estão imunizados (38,5%). Devido a este atraso, Cuba começou a usar também no fim de agosto a vacina chinesa Sinopharm.

Cuba tinha conseguido gerenciar a crise sanitária até que em julho a variante delta disparou o número de casos e óbitos, pondo em xeque seus serviços de saúde. Até esta quarta-feira, a ilha registrava 768.497 casos e 6.523 mortos.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco