Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ATENTADO

Biden libera documento de investigações do 11 de Setembro do FBI

Publicado em: 13/09/2021 07:22

 (Foto: DOUG KANTER / AFP)
Foto: DOUG KANTER / AFP
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, cedeu à pressão de familiares das vítimas do 11 de Setembro e divulgou um relatório com investigações do FBI sobre o maior atentado da história do país. O memorando com 16 anos reforça as suspeitas de uma relação da Arábia Saudita com autores da ação terrorista que, há 20 anos, resultou na morte de quase 3 mil pessoas.

Datado de 4 de abril de 2016, o documento apresenta ligações entre Omar al-Bayoumi, um ex-estudante suspeito de ter colaborado com os serviços de inteligência sauditas, e dois dos terroristas da Al-Qaeda que prepararam os ataques em Nova York e Washington. Tem como base entrevistas realizadas em 2009 e 2015 por agentes do FBI com uma fonte cuja identidade não foi divulgada e detalha contatos e encontros entre Bayoumi e dois dos sequestradores aéreos, Nawaf al-Hazmi e Khalid al-Mihdhar, depois que ambos chegaram ao sul da Califórnia, em 2000.

Entre outras informações, a fonte disse ao FBI que Bayoumi estava escondendo, por trás da identidade oficial de estudante, uma “posição muito alta” no consulado saudita e que ele ajudava os terroristas com serviços de “tradução, viagem, acomodação e financiamento”. A investigação também reafirma a suspeita de relação entre os dois terroristas e Fahad al-Thumairy, um imã conservador da mesquita King Faad de Los Angeles e funcionário do consulado da Arábia Saudita naquela cidade.

Reuniões e telefonemas indicam os contatos entre o ex-estudante e um dos terroristas, Thumairy, com Anwar al-Alaki, o clérigo nascido nos EUA que se tornou uma figura importante na Al-Qaeda antes de ser assassinado por um drone no Iêmen, em 2001. Ainda assim, a avaliação é de que o documento não apresenta vínculo direto e claro entre o governo saudita e os sequestradores.

Apesar de a maioria dos sequestradores serem sauditas, a monarquia sempre negou envolvimento com os ataques e, em 2002, foi inocentada das suspeitas por uma comissão de inquérito dos EUA. Três governos americanos se recusaram a divulgar documentos sobre as investigações dos atentados. Uma ordem executiva emitida, no início de setembro, por Joe Biden, determinou a liberação de memorandos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à gordofobia vira lei no Recife
Medicamento contra Covid-19 é recomendado pela OMS
Manhã na Clube: José Queiroz (PDT), Kleiton Boschi, Clarissa de França e Cristina Pires
Skate feminino decola no Brasil após Olimpíadas
Grupo Diario de Pernambuco