Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

JUSTIÇA

Agência dos EUA suspende voos da Virgin Galactic ao espaço durante investigação

Por: AFP

Publicado em: 02/09/2021 18:40

 (Foto: Patrick T. FALLON / AFP
)
Foto: Patrick T. FALLON / AFP
A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) confirmou nesta quinta-feira à AFP que investiga os detalhes da famosa viagem da espaçonave da Virgin Galactic em julho, e anunciou que a mesma não poderá fazer novos voos até que se tenha determinado por que ela desviou da trajetória planejada.

"A Virgin Galactic não poderá voltar a voar a SpaceShipTwo até que a FAA aprove o relatório final de investigação sobre o desvio ou determine que o problema não afeta a segurança pública", informou a agência federal.

"Durante o voo de 11 de julho de 2021, a aeronave da Virgin Galactic SpaceShipTwo desviou de sua autorização de controle de tráfego aéreo enquanto retornava à Spaceport America", base espacial usada pela empresa no deserto do estado do Novo México, disse a FAA. A investigação sobre essa irregularidade está "em andamento", afirmou a agência.

Uma reportagem da revista semanal "The New Yorker" revelou que alertas de segurança dispararam na cabine da nave durante a viagem. Posteriormente, a FAA confirmou à AFP a abertura de uma investigação, porque a aeronave se afastou do espaço aéreo autorizado e dedicado à missão.

A Virgin Galactic garantiu, naquele momento, que o voo havia ocorrido conforme o planejado. A decisão da FAA é um golpe para a empresa espacial privada de Branson, que ajusta seus planos para transportar clientes, que pagarão grandes quantias para viajar após o primeiro voo de teste totalmente tripulado.

- Dúvidas técnicas -
Não está claro se o próximo vôo de teste da Virgin, envolvendo membros da Força Aérea italiana, ocorrerá conforme o programado, no fim de setembro ou início de outubro.

O problema na trajetória ameaçou comprometer a fase de retorno à Terra, quando a nave espacial VSS Unity, na qual viajavam os dois pilotos, Branson e outros três passageiros, acabou flutuando até pousar em uma pista do Novo México.

De acordo com o artigo do jornalista investigativo Nicholas Schmidle, os pilotos encontraram primeiro uma luz amarela e, em seguida, uma luz vermelha, indicando que a subida do avião espacial era muito rasa e que o nariz da nave não estava vertical o suficiente.

Citando fontes anônimas dentro da empresa fundada por Branson, a revista especificou que a forma mais segura de reagir a esses alertas teria sido interromper a missão.

Sem uma ação corretiva, que os pilotos aplicaram, a aeronave não teria energia suficiente para iniciar o seu retorno à base. A revista explicou que uma luz vermelha acesa indica um problema grave, que poderia ter uma consequência fatal.

A aeronave superou, então, 80 km de altitude, ponto estabelecido nos Estados Unidos para a fronteira espacial, fazendo com que os passageiros se deslocassem de seus assentos e flutuassem por cerca de minutos sem gravidade.

"Contestamos as descrições e conclusões do artigo da New Yorker", diz a Virgin Galactic em comunicado enviado à AFP. "Quando o veículo foi confrontado com ventos de grande altitude, que alteraram a trajetória, os pilotos e sistemas monitoraram a mesma, para garantir que se mantivesse dentro dos parâmetros da missão", detalhou a empresa.

Uma falha teria manchado a imagem da Virgin Galactic, que convidou toda a imprensa e espectadores renomados para o evento, transmitido ao vivo. 

Branson, 70 anos, venceu por alguns dias o fundador da gigante Amazon, Jeff Bezos, e sua companhia Blue Origin em uma corrida espacial entre bilionários.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco