Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Mandalay, segunda cidade de Mianmar, entra em confinamento por Covid-19

Por: AFP

Publicado em: 02/07/2021 18:39

 (Foto: Handout / TEDIM POST / AFP)
Foto: Handout / TEDIM POST / AFP
As autoridades birmanesas ordenaram nesta sexta-feira (2) o confinamento da segunda principal cidade do país, Mandalay, em meio a um surto nacional de casos de Covid-19 e uma greve do pessoal da saúde, em protesto contra a junta militar, no poder. 

Localizada no centro de Mianmar, esta capital tem 1,7 milhão de habitantes. Outros dois municípios da região de Bago (centro) serão submetidos às mesmas restrições, que proíbem mais de uma pessoa deixar seu domicílio por razões que não sejam de saúde. apenas profissionais da área estão isentos de cumprir a medida.

Nenhuma data de confinamento foi estabelecida pelo Ministério da Saúde do Conselho de Administração do Estado, nome oficial da junta. Os militares estão no poder desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro passado.

Segundo um censo de 2014, mais de dois milhões de pessoas vivem nas áreas afetadas, além daquelas já confinadas desde maio em várias cidades secundárias do estado de Chin (oeste), perto da fronteira com a Índia. 

Na quinta-feira (1), 1.500 novos casos de Covid-19 foram registrados no país. No início de junho, eram cerca de 100 por dia.

Mianmar registra oficialmente 3.347 mortes, mas esse número é considerado bastante subestimado. 

Estruturalmente precário, o sistema de saúde de Mianmar já tinha dificuldades para responder à Covid-19 mesmo antes do golpe que derrubou o governo civil de Aung San Suu Kyi. 

Desde o golpe, milhares de médicos, voluntários e funcionários se juntaram a um movimento de desobediência civil em massa para protestar contra o regime militar.

A campanha de vacinação é incipiente, já que apenas uma remessa de 1,5 milhão de vacinas chegou da Índia no início do ano, para um país com 54 milhões de habitantes.

Na quinta-feira, os veículos de comunicação estatais anunciaram que o chefe da junta militar, Min Aung Hlaing, concordou em comprar dois milhões de vacinas da Rússia, sem especificar a marca. 

Na semana passada, um porta-voz do Ministério da Saúde havia dito que as autoridades também negociam com a China para adquirir mais doses.

Mianmar se encontra mergulhada no caos e na violência desde o golpe de Estado. Mais de 880 civis foram mortos na repressão da junta, e cerca de 6.500 pessoas foram detidas até agora, segundo uma ONG local de ajuda aos prisioneiros.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com coronel Luiz Meira (PTB), Regina Sales e Maria Dulce
Manhã na Clube: entrevistas com José Maria Eymael, Rodrigo Floro e Chico Kiko (PP)
Leão se afasta de parque onde vive solto e assusta moradores de cidade africana
Manhã na Clube: entrevistas com o prefeito João Campos (PSB) e o governador Paulo Câmara (PSB)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco