Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

MEIO AMBIENTE

UE não conseguiu reduzir emissões de CO2 na agricultura, aponta Tribunal de Contas

Publicado em: 21/06/2021 19:56

 (Foto: Johannes Eisele/AFP)
Foto: Johannes Eisele/AFP
O financiamento agrícola da União Europeia (UE) destinado a combater as mudanças climáticas não conseguiu reduzir as emissões de gases do efeito estufa provocadas pela agricultura, aponta um relatório do Tribunal de Contas europeu divulgado nesta segunda-feira (21).

Atualmente, as negociações da UE para encontrar uma nova Política Agrícola Comum (PAC) tropeçam nas regras que visam a tornar a agricultura europeia mais "verde", de modo que a PAC 2014-2020 foi cuidadosamente examinada por auditores europeus.

Eles apontam que, embora mais de um quarto de todos os gastos da UE com a agricultura nesse período - ou seja, mais de 100 bilhões de euros - tenham sido dedicados à luta contra as mudanças climáticas, as emissões de gases de efeito estufa de origem agrícola não baixaram desde 2010.

“A nova PAC deve dar mais importância à redução das emissões de origem agrícola e fortalecer a prestação de contas e a transparência sobre sua contribuição para atenuar as mudanças climáticas”, afirmou Viorel Stefan, responsável pelo relatório, em nota.

De acordo com o documento, as emissões da pecuária, que representam cerca de metade das emissões da agricultura, também não foram reduzidas desde 2010. A PAC não prevê limites para a pecuária nem incentiva a sua redução, e algumas de suas medidas promovem o consumo de  produtos de origem animal, que não diminui desde 2014, segundo o Tribunal.

Já as emissões causadas por fertilizantes químicos e águas residuais (que representam quase um terço) aumentaram de 2010 a 2018, destaca o relatório.

Os auditores lamentam ainda que a PAC apoie "práticas prejudiciais ao clima, em particular financiando agricultores que cultivam em turfeiras drenadas, que representam menos de 2% das terras agrícolas da União, mas emitem 20% dos gases de efeito estufa de origem agrícola".

Além disso, o Tribunal lembra que a legislação da UE não prevê a aplicação do princípio do poluidor pagador "no caso de emissões de gases do efeito estufa de origem agrícola".

Os 27 países membros do bloco aprovaram a reforma da PAC, com um orçamento de 387 bilhões de euros para sete anos, mas as exigências ambientais e sociais dos eurodeputados precisam ser pactuadas. Portugal, que ocupa a presidência rotativa da UE, espera que um acordo seja alcançado até 30 de junho.
TAGS: co2 | ue | carbono | emissão | eurorpa |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Tudo pronto para o lançamento da primeira viagem espacial para turistas
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Sérvio Fidney e Ana Holanda
Grupo Diario de Pernambuco