Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

MEIO AMBIENTE

Sri Lanka se prepara para possível derramamento de petróleo em sua costa

Por: AFP

Publicado em: 03/06/2021 08:12

 (Foto: Sri Lanka Air Force/AFP)
Foto: Sri Lanka Air Force/AFP
O Sri Lanka pediu ajuda à vizinha Índia para conter um eventual derramamento de petróleo após o naufrágio do navio cargueiro MV X-Press Pearl, devastado por um incêndio que durou 13 dias perto do principal porto de Colombo.

"Pedimos ajuda à Índia", informou à AFP um funcionário envolvido nas ações que estão sendo tomadas para tentar conter o máximo possível um desastre ecológico que já está ocorrendo e que provavelmente será agravado por um derramamento de petróleo.

A Guarda Costeira indiana participou nas operações para extinguir o incêndio que eclodiu a bordo do navio em 20 de maio, e uma de suas embarcações com equipamento especializado está no local para conter um possível derramamento de petróleo antes que alcance a costa.

Produtos dispersantes de petróleo e barreiras flutuantes estão prontos para responder imediatamente a qualquer sinal de vazamento do "MV X-Press Pearl", que começou a afundar na quarta-feira na costa oeste da ilha, disseram as autoridades.

O proprietário do navio, X-Press Feeders, disse que o cargueiro estava afundando lentamente após uma tentativa fracassada de rebocá-lo na quarta ao largo da costa do Sri Lanka.

O X-Press Feeders "pode confirmar que a parte traseira da embarcação repousa no fundo do mar a uma profundidade de cerca de 21 metros, e que a frente está afundando lentamente", declarou a empresa em comunicado nesta quinta-feira.

A Marinha do Sri Lanka informou que a proa do navio ainda estava acima da linha d'água.

Carga perigosa
"Mesmo que a proa toque o fundo do mar, ainda haverá uma parte do convés fora d'água", declarou à AFP Indika de Silva, porta-voz da Marinha.

O navio de 31.600 toneladas tem 186 metros de comprimento e 45 metros de altura.

No momento, não há sinais visíveis de vazamento das 350 toneladas de combustível contidas no navio, segundo o porta-voz.

No entanto, o risco de derramamento de petróleo e produtos tóxicos continua alto, pois o navio transportava grande quantidade de lubrificantes e 81 contêineres de "carga perigosa", incluindo 25 toneladas de ácido nítrico.

Toneladas de pequenos grânulos de plástico, destinados à indústria de embalagens, provenientes do carregamento do "MV X-Press Pearl", já cobrem cerca de 80 km da costa oeste da ilha, que sofre a pior catástrofe ecológica de sua história.

O Centro para a Justiça Ambiental (CEJ) do Sri Lanka teme uma contaminação por metais pesados e um derramamento de petróleo.

"Há uma sopa química nesta zona marítima. Os danos ao ecossistema marinho são incalculáveis", declarou à AFP o diretor do CEJ, Hemantha Withanage.

O presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, pediu na segunda-feira à Austrália ajuda para avaliar os danos ecológicos a esta ilha, que abriga uma das mais ricas biodiversidades do sul da Ásia.

Os danos ecológicos estão sendo avaliados, de acordo com a presidente da Autoridade de Proteção Ambiental Marinha, Dharshani Lahandapura, que disse se tratar do pior desastre que já viu no país.

Uma proibição de pesca foi emitida e "afeta 4.300 famílias na minha cidade", afirmou Denzil Fernando, chefe de uma associação de pescadores em Negombo.

"A maioria das pessoas vive com uma refeição por dia. O governo deve autorizar a pesca ou nos pagar uma indenização", acrescentou.

As autoridades, que abriram uma investigação criminal sobre o incêndio e a contaminação, acreditam que o incêndio foi causado por um vazamento de ácido nítrico observado pela tripulação desde 11 de maio, muito antes de o navio entrar nas águas do Sri Lanka.

Os três principais membros da tripulação, incluindo o capitão e o mecânico-chefe, ambos russos, terão que permanecer na ilha durante toda a investigação, informou a polícia. Seus passaportes foram confiscados na terça-feira por ordem de um tribunal.

Depois do Sri Lanka, o navio continuaria sua rota para a Malásia e Singapura.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco