Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

Covid

AstraZeneca, a vacina rejeitada por parte da Europa

Por: AFP

Publicado em: 18/02/2021 14:47 | Atualizado em: 18/02/2021 15:13

 (Foto: Reprodução/Pixabay)
Foto: Reprodução/Pixabay
A vacina anticovid da AstraZeneca/Oxford, menos eficaz do que suas concorrentes de RNA mensageiro, é defendida pela maioria dos governos e autoridades de saúde, mas continua a gerar desconfiança em parte da Europa. 
Na Alemanha, médicos e autoridades de saúde pública pediram nesta quinta-feira(18) que esse medicamento, mais barato e mais fácil de armazenar, seja mais aplicado. 
Dezenas de milhares de frascos deste produto, criados pelo grupo sueco-britânico AstraZeneca e a Universidade de Oxford, permanecem sem uso. 
Várias consultas médicas para vacinação são canceladas, alertam as autoridades sanitárias alemãs. 
Na Saxônia (leste), uma região com uma das maiores taxas de infecção da Alemanha, mais de 2.500 vagas para vacinação ficaram disponíveis esta semana, de acordo com a Cruz Vermelha alemã. 
O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, defendeu esse medicamento, "seguro e eficaz" como os da BioNTech/Pfizer e da Moderna. Essas duas vacinas, também baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, têm eficácia de 90%, em comparação com 60% da AstraZeneca.

- "Segunda classe" -
Na França, onde o ministro da Saúde, Olivier Véran, recebeu uma dose da vacina em público, também há muita desconfiança. 
Essa vacina não é de "segunda classe", tenta tranquilizar Alain Fischer, coordenador da campanha de vacinação. 
A agência francesa de medicamentos (ANSM) registrou 149 casos (entre 10 mil vacinações realizadas entre 6 e 10 de fevereiro) de síndromes gripais, algumas de forte intensidade (febre alta, dores musculares, dor de cabeça) após a injeção do produto. 
Na Áustria, o imunizante também é visto com suspeita e centenas de profissionais de saúde em todo o país cancelaram suas consultas de vacinação após a propagação de rumores de possíveis efeitos colaterais, como febre. 
Um grupo de médicos de Salzburgo pressionou o governo a distribuir vacinas da BioNTech, e não da AstraZeneca, argumentando que funcionava mais rapidamente e protegia melhor os pacientes.
Na Bulgária, que não impôs limite de idade para a vacina, ao contrário de outros países europeus, cresce a desconfiança entre os idosos. 
Na Itália, o problema surgiu quando a federação de médicos e dentistas particulares de Roma, que representa aqueles que não trabalham em hospitais, se opôs à imunização de seus associados com o produto AstraZeneca, por não oferecer proteção suficiente. 
%u201CA atitude dos médicos que não querem a vacina AstraZeneca é desdenhosa%u201D, lamenta Massimo Galli, diretor do departamento de doenças infecciosas do hospital Sacco, em Milão (norte).

- Comunicação "catastrófica" -
%u201CSe tiverem que escolher entre a AstraZeneca agora ou outra vacina daqui a alguns meses, terão que escolher a AstraZeneca agora%u201D, questiona, por sua vez, Carsten Watzl, secretário-geral da sociedade alemã de imunologia. 
Na Alemanha, esse ceticismo se deve em parte às mensagens contraditórias das autoridades de saúde em janeiro. Antes de insistir em seu uso, questionaram sua eficácia em idosos, a tal ponto que a comissão de vacinas desaconselhou sua aplicação em maiores de 65 anos. 
Como resultado, das 740 mil doses entregues às 16 regiões alemãs, apenas 107 mil foram administradas, lamentou o instituto de vigilância sanitária Robert Koch nesta quinta-feira.
Apenas um alemão em cada três com menos de 65 anos estaria disposto a receber esse medicamento, de acordo com levantamento feito pelo diário Tagesspiegel. 
No entanto, o uso massivo desta vacina é essencial para atingir o objetivo do governo: que todos os alemães tenham recebido pelo menos uma dose no início do outono. 
Nesta quarta-feira, apenas 3,6% da população havia recebido a primeira dose, por enquanto reservada a profissionais de saúde e idosos. 
Para evitar o desperdício do precioso produto, ele será oferecidos para pessoas não prioritárias, incluindo as forças de segurança.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Com 93% de taxa de ocupação de UTIs, Pernambuco decreta mais restrições
De 1 a 5: saiba qual é seu perfil profissional e como tirar o máximo proveito dele
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 01/03
Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco